Publicidade

Correio Braziliense

Daciolo: "Facada em Bolsonaro foi show criado pela Maçonaria e Malafaia"

Ex-candidato à presidência diz que não acredita que presidente tenha sido vítima de atentado


postado em 06/04/2020 19:30

(foto: Reprodução)
(foto: Reprodução)
Obra da Maçonaria com a Nova Ordem Mundial e participação do pastor Silas Malafaia. Esses foram os autores do ‘espetáculo’ da facada em Jair Bolsonaro, segundo o ex-deputado e ex-candidato à presidência Cabo Daciolo.

Pelas suas redes sociais, Daciolo afirmou que não acredita que o presidente da República tenha realmente sido vítima de um atentado e que tudo não passa de uma grande farsa para encobrir a necessidade de Bolsonaro passar por uma cirurgia, para curar uma enfermidade. A declaração foi feita por volta dos 9:30 minutos do vídeo abaixo.

“Vou revelar algo que está no meu coração há muito tempo. Eu não acredito em facada de Bolsonaro nenhuma. Cabo Daciolo não acredita. Vou dizer o que eu acredito: Bolsonaro estava com uma enfermidade e tinha que fazer uma cirurgia. E aí, a Maçonaria junto com a Nova Ordem Mundial montou todo esse espetáculo aí. É o que eu acredito, o que está no meu coração e estou revelando hoje para você. Se for de Deus o que eu estou falando aqui, isso tudo vai cair por terra em nome do Senhor Jesus Cristo”, disse Daciolo por meio de suas redes sociais.

O ex-presidenciável completa afirmando que o pastor evangélico Silas Malafaia também faria parte da trama. “Observem que, logo depois da facada, no dia seguinte, o senhor Silas Malafaia já estava dentro do hospital convocando todo o povo em 7 de setembro, num dia importante para a nação, para fazer parte dessa caminhada desse governo maçon. ‘Tá’ repreendido em nome do Senhor Jesus Cristo”.

Em 6 de setembro de 2018, Adélio Bispo de Oliveira atacou Jair Bolsonaro, então candidato à presidência, com uma facada no abdômen, durante um ato de campanha na cidade de Juiz de Fora, Zona da Mata mineira.

Daciolo também disputou aquela eleição e ficou em sexto lugar, com 1.348.323 votos (1,26%).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade