Politica

Conflitos entre Bolsonaro e Mandetta deixam governadores fortalecidos

No campo oposto, Bolsonaro vê seu capital político diminuir

Simone Kafruni
postado em 08/04/2020 06:00
 (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Homem sentado e sérioNo confronto entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que quase foi exonerado na última segunda-feira, quem sai fortalecido são os governadores. Conquistaram alta popularidade diante da população ;; como aponta recente pesquisa de opinião ;; por serem firmes na defesa de medidas restritivas, conforme recomenda o Ministério da Saúde, e darem respostas rápidas às demandas impostas pelo combate à pandemia. No campo oposto, Bolsonaro vê seu capital político diminuir.

Paulo Calmon, diretor do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB), avaliou a relação entre os chefes de executivo como conflituosa. ;Há uma crise dentro da estrutura de governo no sentido de que as determinações do presidente, dos governadores e dos prefeitos se chocam. Quem está mais próximo da população tem percepção mais clara e intensa dos problemas e riscos aos quais é submetida. Porém, o que poderia ser resolvido numa mesa de negociação está ganhando tonalidade de conflito político, e quase partidário. Há uma névoa de interesses permeando esse conflito;, afirma.

Isso compromete a governabilidade, segundo Calmon, e traz consequências ao combate à pandemia, pois confunde a população. Ele também acredita que está faltando a figura do estadista. ;Aquela liderança que pensa primeiro no país e, em segundo lugar, nas consequências eleitorais. Os governadores cresceram, porque assumiram postura de estadistas.;

O protagonismo dos governadores decorre da obediência às recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), no entendimento de Alexandre Rollo, especialista em direito eleitoral e diretor da Organização dos Advogados do Brasil (OAB) de São Paulo. ;O presidente, lamentavelmente, só vê as eleições de 2022. Então, pensa é que os outros estão fazendo a mesma coisa. Os governadores estão seguindo as orientações e Bolsonaro quer politizar;, frisou.

Para ele, o presidente quer se capitalizar ao mostrar preocupação com a economia, que é uma responsabilidade federal. ;Não quer que a economia quebre, porque não quer que as pessoas dependam muito dos programas de governo. Mas a vida vem em primeiro lugar;, cobrou.

Para o cientista político da Arko Advice, Cristiano Noronha, o desempenho dos governadores é bom no curto prazo, mas é preciso pensar na durabilidade dessa popularidade. ;Quem está determinando medidas mais restritivas ganhou a confiança da população. Mas, no médio prazo, essa popularidade vai depender muito das medidas que adotarem quando o desemprego bater mais forte em cada um desses estados. Ou quando a doença atingir mais comunidades, aumentando a pressão nos hospitais;, ressaltou.

Por enquanto, segundo Noronha, há concordância de parte da população em relação à necessidade de medidas restritivas, mas essa ;lua de mel; pode entrar em crise brevemente. ;Vão precisar agir para minimizar o impacto da doença no sistema de saúde ou na adoção de horários diferentes para evitar aglomeração no transporte público. São medidas que também serão avaliadas pela população;, afirmou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação