Politica

Bolsonaro fará novo pronunciamento em rede nacional nesta quarta-feira

Este será o quinto pronunciamento em meio à crise do pandemia de coronavírus

Ingrid Soares
postado em 08/04/2020 18:04
 (foto:  AFP / EVARISTO SA)
(foto: AFP / EVARISTO SA)
Este será o quinto pronunciamento em meio à crise do pandemia de coronavírusO presidente Jair Bolsonaro (sem partido) realizará na noite desta quarta-feira (8), às 20h30, o quinto pronunciamento em rede nacional em meio à crise do pandemia de coronavírus. Segundo interlocutores palacianos, por volta das 16h30 o presidente começou a gravar o discurso. Em entrevista ao Datena, no final da tarde, Bolsonaro afirmou que no discurso ;levará tranquilidade; e falará sobre ;empregos;. Ele também deverá continuar com o tom ameno como o já adotado na última gravação do dia 31, além de voltar a falar do uso da hidroxicloroquina e de ações realizadas pelo governo no combate ao Covid-19.

Segundo Bolsonaro, a mensagem gravada é curta, com a duração de quatro minutos. ;É uma mensagem curta, objetiva, levando tranquilidade, falando sobre o Dr. Kalil que assumiu que usou, depois de contaminado, a hidroxicloroquina e algumas ações do governo no dia de hoje. É basicamente isso. Porque em rede a gente atinge o Brasil todo e aproveitando a possibilidade [de falar sobre] a eficácia deste medicamento que há mais de 50 anos é usado no Brasil;, apontou Bolsonaro.

Bolsonaro usou a cadeia nacional de rádio e televisão outras quatro vezes, todas em março.

Veja trechos dos discursos anteriores:

No dia 6 de março, Bolsonaro disse que mesmo que o número de doentes pelo coronavírus possa se agravar, ;não há motivo para pânico;. O chefe do Executivo ressaltou também que o governo tem repassado com transparência o número de infectados e vem tomando medidas de profilaxia. Bolsonaro defendeu ainda que ;o momento é de união; e a melhor medida de prevenção é ;seguir rigorosamente as recomendações dos especialistas;.

;Convoco a população brasileira, em especial os profissionais de saúde, para que trabalhemos unidos e superemos juntos essa situação.O momento é de união. Ainda que o problema possa se agravar, não há motivo para pânico. Seguir rigorosamente as recomendações dos especialistas é a melhor medida de prevenção. Que Deus nos proteja e abençoe o nosso Brasil;, concluiu o presidente.

No dia 12, Bolsonaro pediu à população que adiasse as manifestações do dia 15 do mesmo mês por conta do coronavírus. ;Os movimentos espontâneos e legítimos marcados para o dia 15 de março atendem aos interesses da nação. Balizados pela lei e pela ordem, demonstram o amadurecimento da nossa democracia presidencialista e são expressões evidentes de nossa liberdade. Precisam, no entanto, diante dos fatos recentes, ser repensados. Nossa saúde e de nossos familiares devem ser preservadas. O momento é de união, serenidade e bom senso;, apontou.

Já no dia 24, o presidente criticou as medidas restritivas adotadas pelos governadores, defendeu a reabertura de escolas, o fim do confinamento e ainda culpou a mídia por ;histeria;.

;O vírus chegou. Está sendo enfrentado por nós e brevemente passará. Nossa vida tem que continuar. empregos devem ser mantidos, o sustento da família deve ser preservado. Devemos sim voltar à normalidade. Algumas poucas autoridades estaduais e municipais devem abandonar o conceito de terra arrasada, a proibição de transportes, o fechamento de comércio e o confinamento em massa. O que se passa no mundo têm mostrado que um grupo de risco é o das pessoas acima dos 60 anos. Então, por que fechar escolas?;, questionou.

[SAIBAMAIS]No entanto, no dia 31, ele adotou um tom mais ameno. Mesmo não abrindo mão da ideia de que é necessário salvar a economia nacional neste momento, o chefe do Palácio do Planalto disse que ;todos nós temos que evitar ao máximo qualquer perda de vida humana;. Citando o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus, Bolsonaro também declarou que ;todo indivíduo importa;.

Mesmo em uma guerra aberta com governadores e prefeitos, principalmente pelo impasse quanto ao alcance das medidas de confinamento, ele fez um pedido para que haja ;união; entre os governantes, e incluiu nessa missão os Poderes Legislativo e Judiciário. ;Agradeço e reafirmo a importância da colaboração e a necessária união de todos num grande pacto pela preservação da vida e dos empregos: parlamento, Judiciário, governadores, prefeitos e sociedade.;

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação