Politica

Mandetta e linha de frente do Ministério da Saúde discutem transição

O secretário Wanderson de Oliveira, que chegou a pedir demissão, disse que ficaria à disposição para dar continuidade aos trabalhos. Cotado para assumir a posição de Mandetta, o secretário João Gabbardo afirmou que sairia com o ministro

Bruna Lima
postado em 15/04/2020 18:29
O secretário Wanderson de Oliveira, que chegou a pedir demissão, disse que ficaria à disposição para dar continuidade aos trabalhos. Cotado para assumir a posição de Mandetta, o secretário João Gabbardo afirmou que sairia com o ministroApós uma semana de impasse e incertezas em relação à demissão do ministro Luiz Henrique Mandetta, a linha de frente do Ministério da Saúde colocou as cartas sobre a mesa e falaram abertamente sobre a transição de cargos em meio aos trabalhos para conter o Covid-19. ;Queremos dar total condição a quem venha trabalhar, não estamos aqui para dificultar a vida de absolutamente ninguém;, disse Mandetta durante coletiva de imprensa, nesta quarta-feira (15/04). ;Mas claramente esse caminho não é o que tem a ressonância para que ele possa ser conduzido dessa maneira;, ponderou.

Questionado se foi informado pelo próprio presidente Bolsonaro sobre a eminente demissão, Mandetta disse que se trata de uma situação pública e acrescentou: ;Não somos insubstituíveis, em nenhum momento falamos que somos. São visões diferentes. O ministro afirmou que há muitas alternativas, profissionais experientes, apesar de acreditar que a linha seguida atualmente pela pasta é a correta. ;Ele (Bolsonaro) externa que quer outro tipo de posição por parte do Ministério da Saúde que eu, baseado no que nós recebemos, baseado em ciência, tenho esse caminho para oferecer.

[SAIBAMAIS]Nome cotado para permanecer no lugar de Mandetta, o atual secretário-executivo, João Gabbardo, negou a intenção. ;Tenho compromisso com o ministro Mandetta. No dia que ele sair, saio junto com ele;. No entanto, ele se colocou à disposição para atuar durante o período de transição. ;Entrei no Ministério da Saúde muito jovem. Ano que vem completa 40 anos, então eu não vou jogar no lixo esse meu patrimônio. Se o presidente indicar uma nova equipe, não vou abandonar o barco, vou ficar todo tempo necessário para fazer a transição com tranquilidade. Não podemos por qualquer razão interromper isso, porque qualquer interrupção será muito significativa;, ponderou.

Na mesma linha o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson de Oliveira, indicou que iria permanecer no cargo até segunda ordem. ;Os cargos eletivos são passageiros e dessa maneira estamos trabalhando para que quem quer que venha, dê continuidade ao trabalho da melhor maneira possível;. Wanderson chegou a entregar uma carta de demissão no setor onde trabalha, na manhã desta quarta-feira (15/04), mas o ministro não aceitou a desistência.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação