Politica

Moro diz que nos governos do PT não houve interferência política na PF

Segundo o agora ex-ministro, isso foi de extrema importância para os resultados da Operação Lava-Jato

Sarah Teófilo
postado em 24/04/2020 14:09

Sérgio MoroAo anunciar a demissão do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro denunciou reiteradas tentativas do presidente Jair Bolsonaro de interferir politicamente na Polícia Federal. O ministro chegou a pontuar, no discurso, que durante os governos petistas, de Lula e Dilma Rousseff, não houve interferências nos trabalhos na PF durante as investigações da Lava-jato, e que isso foi de extrema importância para os resultados.

"É certo que o governo na época tinha inúmeros defeitos, aqueles crimes gigantescos de corrupção que aconteceram naquela época, mas foi fundamental a manutenção da Polícia Federal para que fosse feito o bom trabalho, seja de bom grado ou por pressão da sociedade, mas isso (a autonomia) foi mantido", disse. O ministro exaltou a importância da garantia da autonomia das instituições de controle e de investigação.

O presidente Jair Bolsonaro exonerou, nesta sexta-feira (24/4), o diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, sem o aval de Moro, que denunciou interferências políticas de Bolsonaro desde o segundo semestre do ano passado. Conforme Moro, a retirada de Valeixo, além de ser uma violação da promessa que teve de "carta branca" na atuação no ministério, mostra ainda uma clara intervenção política na PF.

O ex-juiz federal, que ficou famoso após sua atuação na Operação Lava-Jato, disse que na época não houve intervenções dos governos. "Não aconteceu durante a Lava Jato, a despeito de todos os problemas de corrupção dos governos anteriores", afirmou. Moro disse que houve um episódio em que foi nomeado um diretor com o intuito de interferência política, mas não deu certo. "Ficou pouco mais de três meses, a própria instituição rejeitou essa possibilidade", frisou.

[SAIBAMAIS]De acordo com o ministro, o presidente manifestou vontade de ter alguém próximo na instituição e admitiu que a mudança é uma intervenção política. "O presidente me disse mais de uma vez que ele queria ter uma pessoa de contato pessoal dele, que ele pudesse ligar, colher informações, relatórios de inteligência, seja o diretor, seja o superintendente, e realmente não é o papel da Polícia Federal. Imaginem se durante a Lava Jato ministros, ou a então presidente Dilma (Rousseff), o presidente Luiz (Inácio Lula da Silva) ficassem ligando na superintendência de Curitiba para colher informações sobre investigações em andamento", disse.

Moro diz que, para preservar a sua biografia e o compromisso que assumiu de ser firma no combate à corrupção, sairá do cargo de ministro. Para ele, a intervenção na PF por motivos políticos podem gerar resultado "imprevisíveis".

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação