Politica

Silêncio na indústria

postado em 05/05/2020 04:04
Entidades patronais procuradas pelo Correio evitaram comentar as últimas atitudes do presidente Bolsonaro, com desrespeito à quarentena e participação em protestos antidemocráticos. Contudo, empresários e interlocutores deles admitem que é preciso um discurso mais ;maduro; do chefe do Executivo.

No meio empresarial, ninguém quer se expor. O presidente de uma das associações de fabricantes nacionais revelou que palavra de ordem é ;não comentar temas políticos;. O mesmo informou as assessorias da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e da Confederação Nacional das Indústrias (CNI). ;Todo mundo está muito quieto. Apesar de estarem insatisfeitos, ninguém vai querer se expor, por enquanto;, disse um empresário, sob anonimato.

O presidente do Instituto Brasil 200, Gabriel Kanner, lamentou a saída de Moro e criticou os ataques à imprensa e aos demais Poderes. ;Somos absolutamente contra qualquer discurso de fechamento do Congresso e do STF. Isso é muito ruim para a imagem da direita brasileira com agenda econômica liberar e valores conservadores;, disse. Ele acredita que Bolsonaro poderia ter mais equilíbrio. ;O presidente poderia ser mais cauteloso em algumas atitudes ao defender a volta das atividades econômicas. É o que defendemos para evitar que o país entre em um colapso social se a economia ficar paralisada;, defendeu.



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação