Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro diz que estudou como o serviço secreto chinês trabalha nos EUA

Parte do trecho de fala completa está censurada. Em seguida, ele diz: ''Em alguns ministérios tem gente deles aqui dentro, né?'', mas não está claro a quem se refere


postado em 22/05/2020 20:01 / atualizado em 22/05/2020 21:49

(foto: Marcos Corrêa/PR)
(foto: Marcos Corrêa/PR)
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), em vídeo de reunião ministerial do dia 22 de abril, afirmou que estava estudando como o serviço secreto chinês trabalha nos Estados Unidos. O vídeo, divulgado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello nesta sexta-feira (22/5), foi apontado pelo ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro como uma prova de que o presidente havia tentado interferir na Polícia Federal. 

"Eu tava vendo, estudando em fim de semana aqui como é que o serviço chinês, secreto, trabalha nos Estados Unidos. Qual a preocupação nossa aqui? (censurado) É simples o negócio. 'Ah, não deve publicamente'. Devo falar como? Tá todo mundo vendo o que tá acontecendo. (censurado) Tudo bem. Tá? (censurado) Você tira do (censurado) porra, da (censurado) tu não tira. É uma realidade. Não adianta esconder mais, tapar o sol com a peneira, né?", afirmou.
 

O trecho em que o presidente cita a China e os Estados Unidos havia sido suprimido em transcrição feita e divulgada pela Advocacia-Geral da União (AGU). Anteriormente, o presidente estava reclamando sobre a ausência de informações de inteligência por partes dos órgãos brasileiros.

Em seguida, ele fala que dentro do governo existe "gente deles". Parte do trecho também está censurado:

"Tem, não é ... em vá ... em alguns ministérios tem gente deles aqui dentro, né? Então não queremos brigar com (censurado), zero briga com a (censurado). Precisamos deles pra vender? Sim. Eles precisam também de nós. Porque se não precisassem não estariam comprando a soja da gente não. Precisam. E é um negócio, pô. E devemos aliar com quem tem umas ... alguma afinidade conosco. Pra gente poder faz ... fazer valer a nossa vontade naquele momento", disse Bolsonaro.

O presidente, então, reitera seu descontentamento com o serviço de informações no Brasil. "São uma vergonha, uma vergonha! Que eu não sou informado!  E não dá pra trabalhar assim. Fica difícil. Por isso, vou interferir! E ponto final, pô! Não é ameaça, não é uma ... urna extrapolação da minha parte. É uma verdade", afirmou.

Além dos trechos acima, com palavras censuradas, foram suprimidas palavras de outros dois momentos: em um deles, em uma fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, também sobre a China. No outro, uma fala de Guedes e outra do vice-presidente, Hamilton Mourão.

Veja os vídeos 

 
 
 
 
  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade