Publicidade

Correio Braziliense

Advogado de Moro diz que ex-ministro 'nunca pediu para falar com Bolsonaro'

O advogado Rodrigo Sánchez Rios, que atua na defesa do ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, ao se referir ao processo em tramitação no Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a possível intervenção do presidente da República, Jair Bolsonaro, na Polícia Federal (PF), declara que a relação entre os dois envolvidos no processo é recente


postado em 22/05/2020 21:57

(foto: Jos? Cruz/Ag?ncia Brasil)
(foto: Jos? Cruz/Ag?ncia Brasil)
O advogado Rodrigo Sánchez Rios, que atua na defesa do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, ao se referir ao processo em tramitação no Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a possível intervenção do presidente da República, Jair Bolsonaro, na Polícia Federal (PF), declara que que a relação entre os dois envolvidos no processo é recente. “Sérgio Moro nunca pediu para falar com o então candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, durante as eleições de 2018. Moro apenas foi cumprimentado por Bolsonaro, bem antes do período eleitoral, no aeroporto de Brasília, oportunidade em que não reconheceu o então deputado federal”.

Ele se refere a um rápido encontro no qual ficou a impressão de Moro ter ignorado o então candidato. À época, o atual chefe do Executivo teria se sentido ofendido pela fria recepção do juiz, famoso por estar à frente da Operação Lava Jato. “Depois disso, Sérgio Moro ligou para se desculpar por uma questão de urbanidade. O então juiz federal foi procurado por Paulo Guedes, então assessor econômico do candidato à Presidência, uma semana antes do 2º turno. É lamentável que o presidente da República tente distorcer fatos e enganar a população”, reforça Rios.

Em novembro de 2018, Moro chegou a comentar que não tinha proximidade com o presidente eleito, mas o procurou porque percebeu ter havido uma certa exploração política do fato, pelos adversários políticos de Bolsonaro. E que só foi sondado para ser ministro cinco dias antes do segundo turno das eleições. Moro disse ainda que a primeira vez que conversou pessoalmente com Bolsonaro tinha sido em 1º de novembro daquele ano. Foi aí que apresentou os planos que deveria levar a cabo à frente do Ministério da Justiça.

 o então candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, durante as eleições de 2018. Moro apenas foi cumprimentado por Bolsonaro, bem antes do período eleitoral, no aeroporto de Brasília, oportunidade em que não reconheceu o então deputado federal”.

Ele se refere a um rápido encontro no qual ficou a impressão de Moro ter ignorado o então candidato. À época, o atual chefe do Executivo teria se sentido ofendido pela fria recepção do juiz, famoso por estar à frente da Operação Lava Jato. “Depois disso, Sérgio Moro ligou para se desculpar por uma questão de urbanidade. O então juiz federal foi procurado por Paulo Guedes, então assessor econômico do candidato à Presidência, uma semana antes do 2º turno. É lamentável que o presidente da República tente distorcer fatos e enganar a população”, reforça Rios.

Em novembro de 2018, Moro chegou a comentar que não tinha proximidade com o presidente eleito, mas o procurou porque percebeu ter havido uma certa exploração política do fato, pelos adversários políticos de Bolsonaro. E que só foi sondado para ser ministro cinco dias antes do segundo turno das eleições. Moro disse ainda que a primeira vez que conversou pessoalmente com Bolsonaro tinha sido em 1º de novembro daquele ano. Foi aí que apresentou os planos que deveria levar a cabo à frente do Ministério da Justiça.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade