Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro publica trecho de vídeo e reforça ideia de armar população

"Como se começa uma ditadura? Desarmando o povo. O bem maior do homem? Sua liberdade", escreveu o presidente na postagem com um trecho do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril


postado em 23/05/2020 10:37

(foto: Isac Nobrega/PR)
(foto: Isac Nobrega/PR)
O presidente Jair Bolsonaro reforçou, neste sábado (23/5), a ideia de armar a população como forma de evitar uma ditadura. O chefe do Executivo compartilhou em suas redes sociais trecho do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril em que prega o posicionamento de armar o povo para "impedir uma ditadura no país".

"Como se começa uma ditadura? Desarmando o povo. O bem maior do homem? Sua liberdade", escreveu. No vídeo, Bolsonaro exige providências do ministro da Defesa, Fernando de Azevedo e Silva, e do então ministro da Justiça, Sérgio Moro. Em observação, Bolsonaro acrescenta na publicação ainda que o trecho do vídeo tem "tem 'palavrões'".

"Por isso que eu quero, ministro da Justiça e ministro da Defesa, que o povo se arme! Que é a garantia que não vai um filho da puta aparecer pra impor uma ditadura aqui! Que é fácil impor uma ditadura! Facílimo! Um bosta de um prefeito faz uma bosta de um decreto, algema, e deixa todo mundo dentro de casa. Se estivesse armado, ia para a rua", disse o presidente no vídeo No trecho, Bolsonaro cita também que, se ele fosse ditador, ia querer desarmar a população.

A gravação da reunião interministerial do dia 22 foi liberada nesta sexta (22/5) pelo ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal e relator do inquérito que investiga a acusação de que o presidente teria interferido politicamente na Polícia Federal (PF). O vídeo é uma das provas do caso indicada por Sergio Moro de que Bolsonaro queria alguém de sua confiança para a direção da superintendência do órgão no Rio de Janeiro.
 
Veja o post do presidente: 
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade