Publicidade

Correio Braziliense

Site cancela financiamento coletivo do movimento liderado por Sara Winter

Acampamento bolsonarista "300 do Brasil" teve financiamento coletivo suspenso pelo site Vakinha após a líder do movimento, Sara Winter, ser alvo da Polícia Federal


postado em 27/05/2020 20:25 / atualizado em 27/05/2020 20:59

(foto: Instagram/Reprodução)
(foto: Instagram/Reprodução)
O site de financiamento coletivo Vakinha anunciou nesta quarta-feira (27/5) que a campanha dedicada ao grupo 300 do Brasil, liderado pela ativista Sara Winter, foi retirada do ar. O movimento é um acampamento na Esplanada dos Ministérios em apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). A vaquinha virtual já tinha arrecadado R$ 80 mil.

“Ainda sobre o caso dos 300 do Brasil, nosso jurídico concluiu uma nova análise, facilitada pelos eventos recentes, e recomendou a retirada da vaquinha. Como sempre informamos, procedemos em concordância com nosso jurídico e com toda a responsabilidade necessária.”, escreveu a Vakinha, em seu perfil no Twitter. 

Sara Winter foi um dos alvos da Polícia Federal nesta quarta, no âmbito do inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) que apura a disseminação de fake news contra ministros.

A página do financiamento já está fora do ar. Segundo a empresa, quando um projeto de financiamento é cancelado as doações são retornadas aos colaboradores. 

Os 300 do Brasil 

Integrantes do grupo 300 do Brasil estão acampados nos arredores da Esplanada dos Ministérios desde o dia 1º de maio. Na descrição do grupo nas redes sociais, o movimento pede adesão de pessoas que estejam dispostas a passar por um treinamento com especialistas em "revolução não-violenta e desobediência civil", técnicas de "estratégia, inteligência e investigação" e instrução sobre "táticas de guerra de informação".

O Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) chegou a pedir que o governador Ibaneis Rocha a desmobilização do acampamento. O grupo bolsonarista foi chamado de "milícia armada" pelos procuradores, que também pediram urgência na decisão judicial, busca e apreensão, e revista dos integrantes.

O grupo é formado por homens e mulheres que vestem roupas camufladas, parecidas com as roupas do Exército, ou camisas verde e amarela. Segundo uma publicação no Instagram de Sara, o nome foi escolhido baseado nos “300 de Gideão”, do antigo testamento da Bíblia, e dos “300 de Esparta”, a batalha das Termópilas, história de 480 a.C baseada no heroísmo de três centenas de guerreiros contra o Exército persa de 300 mil homens.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade