Publicidade

Correio Braziliense

Carlos Bolsonaro e Joice Hasselmann trocam farpas após ação do STF

Vereador carioca compartilhou nas suas redes sociais vídeos da deputada federal criticando o STF. Congressista rebate chamando filho do presidente da República de "débil"


postado em 28/05/2020 18:06

(foto: AFP / Sergio LIMA e Geraldo Magela/Agência Senado )
(foto: AFP / Sergio LIMA e Geraldo Magela/Agência Senado )
A decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), de investigar apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e parlamentares pró-governo no inquérito que investiga a produção de notícias falsas e ofensas contra ministros da Corte segue repercutindo no ambiente político nacional, nesta quinta-feira (27/5), o vereador carioca Carlos Bolsonaro (Republicanos) e a deputada federal (PSL-SP) trocaram acusações pelas redes sociais.

Os embates entre os dois começaram após Carlos ter divulgado uma série de vídeos antigos gravados por Hasselmann em que ela critica o STF e alguns dos ministros da Suprema Corte. Em deles, gravado em dezembro de 2018, a deputada reclama do ministro Ricardo Lewandowski devido ao episódio em que o ele ameaçou prender um advogado que chamou o Supremo de "vergonha" ao encontrar o magistrado em um voo.

"O STF é uma vergonha, e eu vou dizer mais uma vez ministro. O STF é uma vergonha. Vai mandar me prender também, Lewandowski? Tô pagando pra ver. Vai mandar me prender também? Vai mandar me deter em algum canto, em algum aeroporto, na saída do avião. É uma brincadeira", disse Hasselmann na gravação.

Ainda no mesmo vídeo, a parlamentar comentou que os ministros do Supremo "fazem o que querem e bem entendem com a Constituição". "Cospem no rosto de todo cidadão de bem brasileiro. Há exceções no Supremo, e certamente Lewandowski e Gilmar Mendes não estão entre as exceções. Então, sim, o STF tem se portado de forma vergonhosa contra o país", ponderou Hasselmann.

Além de Lewandowski e Mendes, os vídeos ressuscitados por Carlos mostram críticas da deputada ao presidente do STF, Dias Toffoli. Em uma gravação antiga, mas que repercutiu em março do ano passado, quando o STF decidiu que a Justiça Eleitoral deve investigar casos de corrupção com caixa 2, ela aparece chamando Lewandowski de "parceiro do Lula", Mendes de "traidor da pátria", Toffoli de "advogado do PT".

"Nós temos esse trio debochando da nação brasileira, debochando da Lava Jato, debochando do Moro, debochando das decisões do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, e fazendo de tudo para livrar Lula da cadeia. Chega, essa palhaçada tem que acabar. Porque, se continuar desse jeito, quem relutou em falar numa intervenção do Exército até esse momento, vai falar, entre eles eu. Se o Supremo continuar agindo como está, o Supremo tem que ser dissolvido", criticou Hasselmann.

"Se os outros ministros não têm força para segurar esse trio, pró-Lula, pró-impunidade, pró-PT, pró-corruptos, pró-Aécio, esses três estão deixando todos de joelhos, então não servem para nada. Levantem-se, tirem esses três de alguma forma de lá, ou o povo não vai ficar calado e eu creio que nem as Forças Armadas ficarão caladas", completou

Em outro vídeo compartilhado por Carlos, Hasselmann diz que o STF precisa entender "que não é o deus das leis, que não pode mudar a Constituição, e que existe o Exército brasileiro para, se preciso for, colocar ordem nessa baderna que o próprio Supremo está instituindo".

O vereador ainda recuperou gravações em que a deputada pede que se faça cumprir o artigo 142 da Constituição, que estabelece o emprego das Forças Armadas diante de ameaça à soberania nacional. Também há um vídeo em que ela reclama que o STF estava sob o comando de "alguém que tem no DNA o vermelho do PT", em referência a Lewandowski, que presidiu o Supremo de 2014 a 2016.


"Tonho da Lua"


Em resposta ao vereador, Hasselmann o chamou de "Tonho da Lua", personagem da novela Mulheres de Areia, interpretado em 1993 por Marcos Frota, que tinha problemas psiquiátricos. Carlos teria ganho o apelido devido à dificuldade para dialogar semelhante à do personagem da teledramaturgia.

Além disso, a deputada o chamou de "débil" e disse que ele "tem no DNA a mentira". "Olha aqui filhote de corrupto, eu sempre fui crítica contumaz de Lewandowski. Sempre! E sempre criticarei quando ministros errados estiverem, assim como faço com seu pai, esse estelionato eleitoral", escreveu Hasselmann.

Por fim, a parlamentar comentou que "pegar seu bando e você, uma quadrilha organizada, é uma das ações mais corretas que o STF já fez".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade