Publicidade

Correio Braziliense

"Um ministro desqualificado", diz Rodrigo Maia sobre Weintraub

Segundo o deputado, um ''homem com essa qualidade não poderia ser ministro de pasta nenhuma''


postado em 30/05/2020 07:00

(foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados)
(foto: Najara Araujo/Câmara dos Deputados)
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse, ontem, ser “uma pena para o Brasil ter um ministro desqualificado” como o titular da Educação, Abraham Weintraub. Segundo o deputado, um “homem com essa qualidade não poderia ser ministro de pasta nenhuma” após pedir, em reunião com o presidente Jair Bolsonaro, a prisão de autoridades, a começar pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

“O homem que desrespeita a democracia não poderia estar em um governo que se diz democrático”, afirmou Maia, em live organizada pela revista IstoÉ. As críticas do parlamentar foram retomadas após ele afirmar que não falaria mais sobre o ministro, porque as declarações acabam fortalecendo o titular da Educação.

Maia, no entanto, poupou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves. Ele considerou a fala de Salles, na mesma reunião, sobre “passar o trator” para acelerar a aprovação de medidas durante a pandemia como “uma ideia de espertalhão”. Segundo o deputado, as declarações do ministro sobre o meio ambiente podem atrapalhar investimentos estrangeiros no Brasil.

Já em relação a Damares, Maia afirmou que é “um direito dela” tentar levar adiante a proposta de processar e colocar na cadeia governadores, como a ministra afirmou na reunião de 22 de abril.

Questionado sobre os pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, que se acumulam na Câmara, Maia alertou que não é o momento para tocar um processo de tamanho impacto. “Esse é um processo político que precisa ser avaliado com isenção. No momento adequado, vamos avaliar se há ou não o crime de responsabilidade. No momento, estamos tentando achar o caminho que una os nossos cacos”, frisou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade