Publicidade

Correio Braziliense

Chega a 25 o número de militares nomeados no Ministério da Saúde

No Diário Oficial desta sexta (5/6), foram confirmados os nomes do tenente-coronel Nivaldo Alves de Moura Filho e do coronel médico Roberto Bentes Batista


postado em 05/06/2020 14:15

(foto: Adauto Cruz/CB/D.A Press)
(foto: Adauto Cruz/CB/D.A Press)
Mais dois militares foram nomeados para o Ministério da Saúde nesta sexta-feira (5/6). As nomeações foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU), assinada pelo ministro interino, general Eduardo Pazuello.

Para exercer o cargo de Diretor de Programa da Secretaria-Executiva, foi escolhido o tenente-coronel Nivaldo Alves de Moura Filho. Já o coronel médico Roberto Bentes Batista fica responsável pela direção do Departamento de Engenharia de Saúde Pública da Fundação Nacional de Saúde.

Além de cardiologista e médico familiar, Batista é pós graduado em Gestão da Administração Pública e possui especialização em Política e Estratégia. Com a inclusão, passa para 25 o número de militares atuando na linha de frente da pasta mais requisitada em tempos de emergência de Saúde.

Desde a saída do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, a inserção de militares na Saúde foi priorizada pelo presidente Jair Bolsonaro, que nunca escondeu a intenção de conduzir mais de perto o Ministério da Saúde desde a instabilidade gerada com as divergências entre ele e Mandetta.

O objetivo era "começar a formar um ministério que siga a orientação do presidente de ver o problema como um todo", disse Bolsonaro no mesmo dia em que demitiu o antecessor de Nelson Teich. 

Número cresceu após saída de Teich

No entanto, foi após o pedido de demissão do médico oncologista, líder da pasta por menos de um mês, que o número de admissões de patentes altas triplicou. Nos primeiros dias substituindo Teich, o agora ministro interino Pazuello nomeou, de cara, nove militares de carreira.

Nas semanas seguintes esse número foi crescendo, o que já era esperado, uma vez que, em 4 de maio, a Defesa publicou a liberação de 17 nomes à Saúde. 

Nos bastidores da pasta, enquanto alguns avaliam o ingresso da equipe como um ponto positivo, devido a características típicas da carreira militar como disciplina e capacidade de ação frente a uma batalha, outros encaram a movimentação como uma forma de controle da pasta por parte de Bolsonaro, fazendo valer as interpretações políticas sobre as técnicas.

O cumprimento da ordem presidencial para liberar os dados compilados de atualização de casos de covid-19 depois da transmissão dos telejornais de grande visibilidade, foi interpretada internamente como uma "demonstração clara" dessa tutela. 

Outras nomeações

Além dos militares, mais três nomes foram integrados a cargos de liderança do Ministério da Saúde. Com assinatura do ministro chefe da Casa Civil, Braga Netto, o professor e farmacêutico Arnaldo Correia de Medeiros foi nomeado como o novo secretário de Vigilância em Saúde do ministério da Saúde, assumindo o lugar de Wanderson de Oliveira

Para exercer a Função Comissionada do Poder Executivo de Coordenador de Apuração Disciplinar da Corregedoria-Geral, da Diretoria de Integridade foi designado o sociólogo de formação Luciano Chagas Barbosa. Entre 2014 e 2016, foi Coordenador de Apuração Disciplinar da Corregedoria-Geral do Ministério da Saúde, tendo sido designado substituto eventual do Corregedor-Geral.

Já a função comissionada de chefe do Serviço de Orçamento e Finança da Secretaria Especial de Saúde Indígena foi delegada para Felisberto de Sousa Rocha. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade