Publicidade

Correio Braziliense

Coronavírus: Maia pede que governo restabeleça transparência dos dados

O deputado disse que, caso o governo não volte atrás, a própria Câmara pode passar a compilar o número de casos e de mortes registradas no país


postado em 06/06/2020 20:46

(foto: Divulgação/Câmara dos Deputados)
(foto: Divulgação/Câmara dos Deputados)
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), engrossou as críticas à tentativa do governo de Jair Bolsonaro de dificultar a divulgação dos dados sobre o avanço do novo coronavírus no Brasil. Ele disse que o Executivo não pode esconder os números de novos casos e de mortes causadas pela covid-19. E avisou que, se o governo não voltar atrás nessa decisão, a própria Câmara dos Deputados pode passar a compilar os dados estaduais para oferecer à sociedade um compilado geral da situação da pandemia no país.

"Eu espero que o governo restabeleça isso no início da semana, para que o TCU (Tribunal de Contas da União), ou a Câmara, ou qualquer instituição que seja não seja obrigada a ter que consolidar essas informações. São informações estaduais, não são nem informações do governo federal. Então, não tem nem como o governo, mesmo que quisesse, esconder ou atrasar esses dados para a sociedade brasileira", afirmou Rodrigo Maia, em live realizada com o cantor Tico Santa Cruz neste sábado (06/06).

Maia lembrou que o boletim diário que apresenta diariamente o total e a evolução dos casos e mortes decorrentes da covid-19 é feito pelo governo federal com base nas informações que são apresentadas por cada secretaria estadual de saúde. O deputado concluiu, então, que outro órgão pode fazer essa conta, em parceria com os estados, caso o governo reduza a transparência do compilado dessas informações.

O presidente da Câmara, contudo, espera que não seja preciso chegar a esse ponto. Por isso, ligou para para o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Jorge Oliveira, neste sábado para pedir que o governo restabeleça a divulgação transparente dos dados da covid-19 no país.

"Eu liguei para o ministro Jorge hoje e fiz um apelo, em nome da Câmara, para que o governo restabelecesse os dados, a transparência. [...] É muito importante que esses dados sejam restabelecidos. Inclusive, disse ao ministro Jorge que não queremos ter que criar uma estrutura para consolidar essas informações. Até porque essas informações não são do governo federal. São dos estados e os estados vão divulgar do mesmo jeito. Alguém vai consolidar, vai ser a Câmara, vai ser o TCU, alguém vai consolidar e dar publicidade a isso. Agora, é muito ruim que a gente precise estar pedindo, estar preocupado com isso", criticou Maia.
 
 

O boletim


O boletim diário do coronavírus é apresentado pelo Ministério da Saúde desde o início da pandemia do novo coronavírus. Porém, costumava ser divulgado às 17h, depois passou para as 19h e nesta semana só foi apresentado por volta das 22h, em uma tentativa do presidente Jair Bolsonaro de deixar os novos recordes diários de mortes de fora dos principais jornais da televisão brasileira. 

Além disso, o boletim ainda mudou de formato. Agora, o documento só apresenta o número de casos confirmados de coronavírus e de óbitos registrados no dia em questão. O acumulado desde o início da pandemia, bem como a evolução desses números ao longo do tempo, não constam mais no boletim, como ocorria anteriormente.

A transparência em relação a essas informações, contudo, é fundamental para que a população se proteja e também para que os governantes estaduais e municipais possam planejar de forma adequada o combate ao novo coronavírus, segundo especialistas.

"Adiar informação adia o trabalho de muitas secretarias municipais e estaduais pelo Brasil, que trabalham com suas informações e com os dados consolidados das outras para tomar suas decisões. [...] É muito importante [a divulgação dos dados], primeiro pela necessidade de transparência, é óbvio, mas também para que os prefeitos e os governadores possam trabalhar com as informações daquilo que está acontecendo no resto do Brasil", disse Maia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade