Politica

Bolsonaro usa OMS para defender flexibilização, mas organização volta atrás

Epidemologista definiu como um "mal-entendido" a interpretação da fala da OMS e disse que há poucos estudos, uma "amostragem pequena" para que se faça uma mudança nas orientações

Bruna Lima
postado em 09/06/2020 16:16
Epidemologista definiu como um Após o presidente Jair Bolsonaro defender a reabertura de atividades econômicas tendo com base a fala da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que transmissão de covid-19 por assintomáticos é ;muito rara;, a entidade retificou a declaração. A correção foi feita pela epidemiologista americana Maria Van Kerkhove, chefe do Programa de Emergências da instituição, que ponderou a própria fala do dia anterior.

Van Kerkhove definiu como um ;mal-entendido; a interpretação da fala e disse que há poucos estudos, uma ;amostragem pequena;para que se faça uma mudança nas orientações. Em coletiva de imprensa, o diretor de emergências da Organização Mundial de Saúde (OMS), Michael Ryan, completou: "Estamos absolutamente convencidos de que a transmissão por casos assintomáticos está ocorrendo, a questão é saber quanto", disse.

Braço da OMS nas Américas, a Organização Pan-americana da Saúde (Opas) comentou o assunto em videoconferência desta terça-feira (9/6), fazendo a distinção entre assintomáticos, aqueles que não manifestam nenhum sintoma enquanto está infectado, e pré-sintomáticos, quem ainda não chegou a apresentar febre e tosse, por exemplo.

[SAIBAMAIS];Os dados científicos, nesse momento, mostram que é menos provável ter contágio a partir de uma pessoa totalmente assintomática em comparação com as pessoas que são pré-sintomáticas. E como sabemos? Principalmente através do rastreio de contato de contágio em conglomerados onde se identificam claramente quem são os pacientes e contactantes sintomáticos, assintomáticos e pré-sintomáticos;, explicou Sylvain Aldighieri, gerente de incidentes da Opas.

O representante da Opas apenas destacou a importância do uso das máscaras, principalmente em transportes públicos e em ambientes sociais, enfatizando a recomendação para aqueles que fazem parte do grupo mais vulnerável, como idosos e pessoas com comorbidades. Aldighieri, no entanto, não detalhou se haverá uma mudança nas orientações neste primeiro momento, tal como foi suscitado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Por mais que a OMS tenha se corrigido, Bolsonaro usa o argumento dito na segunda-feira para pressionar governadores e prefeitos a flexibilizar as medidas de isolamento social ;Isso vai mudar, no meu entender, toda a sistemática de governadores e prefeitos que botaram o Brasil no isolamento quase que absoluto;, disse o mandatário à jornalistas, na porta do Palácio do Planalto.

Mesmo após as falar amistosas por parte da organização, que garantiu não haver ruptura nas relações com o Brasil em meio às críticas tecidas por Bolsonaro, o presidente voltou a ameaçar a quebra de relações tal como fez o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. ;A OMS ora apoia, ora não apoia, de modo que, em grande, parte perdeu a sua credibilidade;, opinou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação