Politica

Bem-comportada, reunião foca no vírus

postado em 10/06/2020 04:13
Com transmissão ao vivo, o encontro não teve palavrões nem ataques a instituições. Somente alguns ministros puderam discursar


O presidente Jair Bolsonaro preparou uma reunião ministerial de tom profissional e objetivo, diferentemente da ocorrida em 22 de abril. Transmitido ao vivo, no encontro de ontem, no Palácio da Alvorada, xingamentos deram lugar a power points com apresentações positivas sobre o governo. A ensaiada mudança tem como objetivo reduzir os estragos, passar um ar de civilidade dos ocupantes da Esplanada e sinalizar à população que a equipe trabalha para combater a pandemia do novo coronavírus.

Prova disso é que os discursos foram restritos. Os ministros que mais causaram controvérsia na reunião de 22 de abril não se pronunciaram, como Abraham Weintraub, da Educação, e Ricardo Salles, do Meio Ambiente.

O encontro de 22 de abril foi marcado por palavrões e ataques a instituições. Weintraub, por exemplo, disse que, por ele, ;botava esses vagabundos todos na cadeia, começando no STF (Supremo Tribunal Federal);. Após o vídeo vir a público, por determinação do ministro Celso de Mello, da Corte, o titular da Educação foi intimado a depor no inquérito das fake news, que está no Supremo.

Outro que provocou polêmica naquela reunião foi Salles. Ele afirmou que o governo deveria aproveitar o momento em que o foco da sociedade e da imprensa está no novo coronavírus para ;ir passando a boiada; e realizar mudanças em regras e normas de proteção ao meio ambiente.

No encontro de ontem, Bolsonaro falou bem menos do que na reunião polêmica. Desta vez, ele não mencionou a Polícia Federal nem se referiu a nenhuma instituição. Questões relativas à segurança pública, no geral, ficaram fora da pauta. André Mendonça, ministro da Justiça, também não foi um dos 12 ministros a falar.

As diferenças não pararam por aí. Se o principal assunto do momento, a pandemia de coronavírus, não havia sido discutido, ontem, foi o tema-chave ; e não apenas os efeitos econômicos, mas, também, relativas à saúde da população. Bolsonaro deu espaço para que o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, fizesse uma explanação de 40 minutos, mostrando que está preocupado com a transparência dos dados da covid-19. Houve até pedido de salva de palmas, por parte dele, para os profissionais de saúde (leia reportagem na página 5). (IS, LC e ST)

Suposta interferência
A polêmica reunião de abril foi divulgada por determinação do ministro Celso de Mello, do STF. A gravação é apontada pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro como prova das declarações que deu, ao sair do governo, de que Bolsonaro tentou interferir politicamente na Polícia Federal para proteger familiares e amigos. O vídeo integra o inquérito aberto para investigar as denúncias do ex-juiz.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação