Politica

Advogado de miliciano morto na Bahia agora defende Queiroz

Paulo Emílio Catta Preta também trabalhou como defensor do miliciano e ex-capitão da PM carioca Adriano da Nóbrega, morto em uma troca de tiros em uma operação policial na Bahia.

Luiz Calcagno
postado em 18/06/2020 16:27
Paulo Emílio Catta Preta também trabalhou como defensor do miliciano e ex-capitão da PM carioca Adriano da Nóbrega, morto em uma troca de tiros em uma operação policial na Bahia.O policial militar reformado Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro e amigo da família do presidente da República tem um novo advogado. O nome é Paulo Emílio Catta Preta, que também trabalhou como defensor do miliciano e ex-capitão da PM carioca Adriano da Nóbrega, morto em uma troca de tiros em uma operação policial na Bahia.

O antigo advogado de Queiroz, Paulo Klein, deixou o cliente em dezembro de 2019. O ex-assessor de Flávio Bolsonaro está na Cadeia Pública de Benfica, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Assim como Queiroz, Nóbrega também era próximo do senador, que chegou a empregar Raimunda Veras Magalhães, mãe do ex-PM, em seu gabinete quando era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Paulo Emílio Catta Preta também trabalhou como defensor do miliciano e ex-capitão da PM carioca Adriano da Nóbrega, morto em uma troca de tiros em uma operação policial na Bahia.A ex-mulher do miliciano também trabalhou no gabinete de Flávio na Alerj. E, assim como Queiroz, Adriano também era suspeito de atuar no repasse de financiamentos ilegais batizado de Rachadinha, por meio da mãe. Mas, as similaridades entre Queiroz e Adriano da Nóbrega não se restringem ao antigo gabinete do senador da República.

De acordo com publicação do jornal Estado de São Paulo, os dois trabalharam juntos no Batalhão da PM em Jacarepaguá e respondem a um mesmo homicídio, registrado como ;auto de resistência".

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação