Politica

"Estava muito ruim", diz Maia sobre atuação de Weintraub no MEC

Ele criticou a atuação do ex-ministro, com quem se desentendeu em várias ocasiões, ao chegar à Câmara, nesta quinta

Alessandra Azevedo
postado em 18/06/2020 17:42
Ele criticou a atuação do ex-ministro, com quem se desentendeu em várias ocasiões, ao chegar à Câmara, nesta quintaO presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), considera positiva a saída de Abraham Weintraub do Ministério da Educação, anunciada nesta quinta-feira (18/6). Para o deputado, o MEC ;estava muito ruim; sob gestão do economista. Ele criticou a atuação do ex-ministro, com quem se desentendeu em várias ocasiões, ao chegar à Câmara, nesta quinta.

;Espero que possamos ter alguém, de fato, comprometido com a educação e com futuro das nossas crianças;, comentou Maia, perguntado sobre a expectativa quanto ao nome que substituirá Weintraub, ainda não definido. ;Todo mundo sabe da minha posição (em relação a ele). Não adianta ficar reafirmando. Não é isso que vai melhorar o diálogo com o Ministério da Educação;, acrescentou.

O deputado, no entanto, não deixou de alfinetar Weintraub em pelo menos outras duas oportunidades. Primeiro, respondeu a uma provocação publicada em nota, no site do MEC, sobre o Congresso ter deixado caducar a medida provisória (MP) que criava a carteira estudantil digital. ;Não vou responder a ex-ministro. Vou responder ao próximo ministro;, disse.

A nota, que traz um balanço dos 14 meses de Weintraub no governo, menciona que ele "criou um projeto de emissão de carteiras estudantis gratuitas e em formato digital", mas que a pauta "não foi aprovada dentro do prazo necessário pelo legislativo e milhares de jovens ficaram sem o benefício".

[SAIBAMAIS]O presidente da Câmara também falou sobre o ex-ministro ter declarado que vai assumir um cargo de diretoria no Banco Mundial. "Porque não sabem que ele trabalhou no Votorantim, que quebrou em 2009, e ele era um dos economistas do banco", lembrou Maia.

Cotas

Maia também comentou a última ação de Weintraub à frente do MEC: revogar a portaria que previa cotas para negros, indígenas e pessoas com deficiência em cursos de pós-graduação em instituições públicas. Deputados apresentaram projeto de decreto legislativo para suspender os efeitos da medida.

O presidente da Câmara, no entanto, acredita que é possível resolver o assunto sem precisar votar projetos, por meio de diálogo com o governo. ;Essa ultima decisão do ministro, já sabendo que ia sair, talvez tenha baixa legitimidade, em um tema que vai gerar tanto desgaste e polêmica;, considerou.

Evasivo

Maia não quis falar sobre a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-SP), filho mais velho do presidente. ;Não tenho comentário sobre esse assunto. Não é assunto da política;, disse, ao ser perguntado sobre a opinião dele a respeito do cartaz com menção ao AI 5 no imóvel do advogado de Bolsonaro onde estava Queiroz.

"Esse assunto não cabe. Não devo comentar esse assunto. Vamos tratar da política, das medidas provisórias, da decisões do Weintraub em relação a um tema tão polêmico que ele decidiu", listou. "Disso que devo tratar. Outros assuntos não cabem", reforçou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação