Publicidade

Correio Braziliense

"Cada ministro é responsável pelo seu currículo", diz Augusto Heleno

Embora não tenha citado diretamente o ex-ministro da Educação Carlos Decotelli, a manifestação ocorreu horas depois do mesmo ter entregue a carta de demissão ao presidente Jair Bolsonaro


postado em 30/06/2020 19:43 / atualizado em 30/06/2020 20:07

(foto: AFP / EVARISTO SA)
(foto: AFP / EVARISTO SA)
O general Augusto Heleno, ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), afirmou, por meio das redes sociais na noite desta terça-feira (30/6), que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) checa a vida pregressa de ocupantes de cargos no governo, mas que cada ministro é responsável pelo seu currículo. Embora não tenha citado diretamente o ex-ministro da Educação Carlos Decotelli, a manifestação ocorreu horas depois do mesmo ter entregue a carta de demissão ao presidente Jair Bolsonaro.

"Aos desinformados: o GSI/ABIN examinam, sobre quem vai ocupar cargos no governo, antecedentes criminais, contas irregulares e pendentes, histórico de processos e vedações do controle interno. No caso de ministros, cada um é responsável pelo seu currículo", afirmou, em sua conta no Twitter.



Bolsonaro aceitou a demissão de Decotelli, exatamente no mesmo dia em que havia sido agendada a cerimônia de posse dele na pasta. 

Durante a passagem relâmpago de Decotelli como ministro, foram reveladas fraudes sobre os títulos descritos no currículo disponibilizado na plataforma Lattes. A situação, no entanto, ficou insustentável após a Fundação Getulio Vargas (FGV) informar que Decotelli não foi pesquisador ou professor efetivo da instituição, mas sim professor colaborador. 

O mais cotado para comandar o cargo é o professor e reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), Anderson Ribeiro Correia. Ele é ex-presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Foi integrante do Conselho Deliberativo e é atual pesquisador do CNPQ, nível 1B. Atuou na equipe de transição entre os governos Temer e Bolsonaro, na área de educação. Também constam no páreo o nome do assessor especial do MEC, Sérgio Sant'Anna, aliado de Abraham Weintraub; o do secretário nacional de Alfabetização, Carlos Nadalim; o do secretário estadual de Educação do Paraná, Renato Feder, e Ilona Becskeházy.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade