Politica

Augusto Aras abre apuração preliminar contra Eduardo Bolsonaro

Ministério Público vai averiguar se parlamentar cometeu crime ao falar em ruptura institucional durante uma live

Renato Souza
postado em 01/07/2020 16:21
Ministério Público vai averiguar se parlamentar cometeu crime ao falar em ruptura institucional durante uma liveO procurador-geral da República, Augusto Aras, determinou a abertura de "notícia de fato" para saber se o deputado Eduardo Bolsonaro violou a Lei de Segurança Nacional em declarações que fez pela internet. Aras averigua se o parlamentar cometeu o crime de "subversão da ordem democrática".

A descrição sobre o procedimento apuratório está em um parecer enviado ao ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com Aras, o objeto de uma petição contra Eduardo se esgotou em razão da abertura da diligência na Procuradoria Geral da República (PGR). ;Caso surjam indícios mais robustos de possível prática de ilícitos pelo representado, será requerida a instauração de inquérito criminal no STF, para adoção das medidas cabíveis;, afirmou Arasno documento.

Na transmissão onde teria ocorrido o suposto crime, Eduardo Bolsonaro fala em quebra da ordem democrática, dando a entender que poderia ocorrer um golpe contra o Estado. "Mas falando bem abertamente, opinião de Eduardo Bolsonaro, não é mais uma opinião de se, mas sim de quando isso vai ocorrer (ruptura institucional). E não se engane, as pessoas discutem isso. Porque a gente estuda história, a gente sabe que ela se repete. Não chegou de uma hora pra outra a ditadura na Venezuela. (;) temos que pontuar, deixar a sociedade ciente do problema e depois tomar algumas atitudes", disse.

Na ocasião, ele comentava o inquérito que apura fake news e ataques contra o Supremo, que está sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes. Eduardo acusou o magistrado de crime, e disse que deve haver punição.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação