Politica

Mesmo infectado, Bolsonaro continua minimizando pandemia de covid-19

Presidente testa positivo para covid-19, mas mantém discurso contra isolamento social e diz que há "superdimensionamento" da doença. Ele recomenda uso da hidroxicloroquina, medicamento sem eficácia comprovada contra o vírus e que pode causar uma série de efeitos colaterais

Ingrid Soares, Augusto Fernandes
postado em 08/07/2020 06:00
 (foto:  AFP / TV BRASIL)
(foto: AFP / TV BRASIL)
homem tirando uma máscaraDepois de passar o primeiro semestre inteiro menosprezando a covid-19, desrespeitando as recomendações de autoridades sanitárias para conter a disseminação do novo coronavírus, promovendo aglomerações e reduzindo a doença que já tirou a vida de quase 67 mil brasileiros a um mero ;resfriadinho;, o presidente Jair Bolsonaro testou positivo para a enfermidade. Apesar de fazer parte de um dos grupos de risco, por ter 65 anos, o mandatário disse não estar preocupado com o diagnóstico e afirmou que usa hidroxicloroquina no tratamento, mesmo ciente de que a eficácia do remédio contra a covid-19 ainda não foi comprovada cientificamente.

Logo após saber que estava doente, Bolsonaro optou por não ficar em isolamento e chamou a imprensa para dentro do Palácio da Alvorada, onde anunciou o resultado do exame que fez na segunda-feira. Ele ficou a poucos metros dos jornalistas e utilizou uma máscara comum, que não é recomendada para pacientes infectados. No fim da coletiva, retirou o equipamento de proteção para comprovar que estava ;perfeitamente bem;, deixando as pessoas próximas a ele ainda mais expostas ao novo coronavírus.

Apesar de ter entrado para a estatística da pandemia, Bolsonaro manteve o discurso negacionista diante da crise sanitária e comentou que ;houve um superdimensionamento; da covid-19 no país. Ele voltou a dizer que crianças, adolescentes e adultos não precisam se preocupar com a doença. ;As pessoas abaixo de 40 anos, a não ser que tenha um problema de saúde sério, a chance é próxima a zero de sofrer e ter uma consequência maior da contaminação. A garotada sem sala de aula vai ter problemas de readaptação no futuro. Temos que nos preocupar com o vírus, sim, mas também com a questão do desemprego que está aí;, afirmou.

;Não tem que ter pavor. É a vida. Como podia ter sido um outro exame de uma comorbidade qualquer. É a realidade;, continuou. ;O Brasil tem de produzir, tem que botar a economia para rodar. A vida, eu sei que ninguém recupera, mas a economia não funcionando leva a outras causas de óbitos, de mortes, de suicídios no Brasil. Isso foi completamente esquecido.;

Medicação


Ao longo do dia, Bolsonaro aproveitou para fazer propaganda hidroxicloroquina. A medicação pode trazer sérios efeitos colaterais quando utilizada de maneira indiscriminada e sem acompanhamento médico, entre eles, arritmia cardíaca. Mesmo assim, o presidente insistiu que a substância tem ;efeito imediato; e que já tomou ao menos três doses da droga desde que apresentou os primeiros sintomas da covid-19, no domingo, como mal-estar, dores musculares e febre. ;Eu sei que não tem uma comprovação científica ainda, mas a eficácia da hidroxicloroquina tem aparecido, e muita gente tem dito que, após ser ministrado esse tipo de medicamento, passou a se sentir muito bem;, disse.

Horas depois, em vídeo postado nas suas redes sociais, em que apareceu tomando uma pílula do remédio, ele reforçou o discurso. ;Estou me sentindo muito bem. Estava mais ou menos domingo; mal, segunda-feira. Hoje, terça (ontem), estou muito melhor do que sábado. Então, com toda certeza, né, está dando certo. Sabemos que hoje em dia existem outros remédios que podem ajudar a combater o coronavírus, sabemos que nenhum tem a sua eficácia cientificamente comprovada, mas é mais uma pessoa que está dando certo. Então, eu confio na hidroxicloroquina, e você? Valeu. Tamo junto.;

Ataques


Como de praxe, Bolsonaro culpou gestores estaduais e municipais pela situação da economia nacional em meio à pandemia. ;Essa política passou a ser privativa dos governadores e prefeitos, e o presidente da República, em praticamente nada, pode interferir. Então, se ela vai indo bem ou mal, a responsabilidade é de governadores e prefeitos, segundo decisão do STF (Supremo Tribunal Federal). Ao governo Bolsonaro, coube quase que exclusivamente repassar recursos ao longo desses meses;, ponderou.

O chefe do Executo ainda disse que as medidas de combate adotadas por estados e municípios não funcionaram. Segundo ele, ;todo mundo sabia que mais cedo ou mais tarde ia atingir uma parte considerável da população;. ;O objetivo final do isolamento social não é dizer que você não vai contrair o vírus, é fazer com que esse vírus fosse diluído ao longo do tempo para evitar que houvesse acúmulo em hospitais por falta de leitos de UTIs ou de respiradores. O isolamento foi feito de forma horizontal, ou seja, todo mundo ficou em casa como obrigação;, criticou.

;O que eu posso falar para todo mundo: esse vírus era como uma chuva que vai atingir vocês, alguns, não. Alguns têm de tomar um maior cuidado com esse fenômeno. Agora, acontece. Infelizmente, acontece;, disse. ;E repito aqui: ele acontece, e as pessoas de certa idade que têm problemas de saúde ou comorbidade, uma vez sendo contaminadas, as chances de óbitos aumentam bastante. Isso tem que ser evitado. Por isso que a gente fala do isolamento vertical.;

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação