Politica

Carlos Bolsonaro após ação do Facebook: não ligo para ''lixo de fake news''

O vereador ainda completou que "surpresas virão", mas não esclareceu sobre do que se tratava

Ingrid Soares
postado em 09/07/2020 15:36
Carlos BolsonaroO vereador Carlos Bolsonaro utilizou as redes sociais na manhã desta quinta-feira (9/7) para comentar sobre a ação do Facebook, que removeu contas falsas ligadas ao presidente Jair Bolsonaro, aos filhos e aliados. O filho número "02" do chefe do Executivo disse estar "cagando" para o que caracterizou como "lixo de fake news". Sem dar maiores detalhes a respeito do que se referia, Carlos afirmou ainda que ;aos poucos vai se retirando do que sempre explicitamente defendeu;.

;Totalmente ciente das consequências e variações. Aos poucos vou me retirando do que sempre explicitamente defendi. Creio que possa ter chegado o momento de um novo movimento pessoal. Estou cagando pra esse lixo de fake news e demais narrativas. Precisamos viver e nos respeitar!”, escreveu.

O vereador ainda completou que ;surpresas virão;, mas novamente não esclareceu sobre o que se tratava: ;Ninguém é insubstituível e jamais seria pedante de me colocar nesse patamar! Todos queremos o melhor para o Brasil e que ele vença! Apenas uma escolha pessoal, pois todos somos seres humanos! Seguimos! E surpresas virão! Não comemorem, escória!”.

O Facebook anunciou quarta-feira (8/7), que derrubou uma rede de fake news e perfis falsos ligadas ao PSL e a funcionários dos gabinetes do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL) e dos deputados estaduais pelo PSL do Rio de Janeiro Anderson Moraes e Alana Passos. O anúncio foi feito numa ligação com jornalistas de diferentes países, incluindo do Brasil.

Foram identificadas 35 contas, 14 páginas, 1 grupo e 38 contas no Instagram. As páginas no Facebook tinham 883 mil seguidores, enquanto as contas no Instagram tinham 917 mil seguidores. 350 pessoas estavam no grupo.

[SAIBAMAIS]No material postado estavam conteúdos relacionados às eleições, memes políticos, críticas à oposição, empresas de mídia e jornalistas, além de material relacionado ao coronavírus. Segundo a rede social, parte do conteúdo dessa rede já havia sido removido da plataforma por violar os padrões de comunidade. Entre as violações estavam conteúdo de discurso de ódio.

A assessoria do Palácio do Planalto não se manifestou sobre o assunto.

Eduardo Bolsonaro - Ação é perseguição a perfis de direita


Ainda ontem, o filho "03" de Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro também se manifestou sobre a ação e afirmou tratar-se de perseguição a perfis de direita. ;Se tivéssemos 10% dessa organização certamente não estaríamos passando por isso. Defendo a liberdade de expressão a todos, lembrando que é cada vez mais notável a perseguição de redes sociais a perfis de direita, dentro e fora do Brasil, mesmo sem haver crime nos posts/perfis;, postou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação