Politica

Afif Domingos confirma que governo vai propor nova CPMF ao Congresso

Para atrair o apoio do Legislativo, o governo deve isentar novo imposto sobre transações eletrônicas para quem ganha até 2,5 salários mínimos por mês

Jailson R. Sena*
postado em 15/07/2020 15:04
 (foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)

Guilherme Afif DomingosO governo vai propor ao Congresso a criação de um imposto sobre transações eletrônicas como forma de compensar a redução de tributos sobre as folhas de salários das empresas, confirmou Guilherme Afif Domingos, assessor especial do ministro da Economia, Paulo Guedes, em entrevista ao programa CB.Poder ; parceria do Correio com a TV Brasília ;, nesta quarta-feira (15/7).

O imposto será semelhante à antiga CPMF, que foi derrubada pelo Congresso e é rejeitada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Para atrair o apoio do Legislativo, o governo deve isentar esse novo imposto para quem ganha até 2,5 salários mínimos por mês.

Pelos estudos, a alíquota do imposto está sendo calculada e deve ficar entre 0,2% e 0,4% sobre cada transação. Essa definição vai depender da abrangência da desoneração de outro tributo.

Na avaliação de Afif, o mundo mudou depois da pandemia do novo coronavírus. As transações eletrônicas cresceram muito e é preciso taxar essas operações. Ele ressaltou que o futuro imposto eletrônico, se aprovado, acertará em cheio o sistema financeiro, que paga menos tributos do que deveria.

"O momento é de priorizar o social e os empregos", frisou. Para ele, ao tornar as folhas salariais menos pesadas, as empresas se sentem mais confortáveis para contratar.

[SAIBAMAIS]O assessor especial do ministro Paulo Guedes disse, ainda, que há um ambiente favorável para se propor a criação de um imposto sobre transações eletrônicas, e que esse debate não pode ser travado pelo presidente da Câmara, que já afirmou que, enquanto estiver no comando da Casa, esse assunto não entrará em pauta. "Isso é uma atitude autoritária", avaliou Afif.

Ele admitiu que Bolsonaro é contra, mas lembrou que o vice-presidente, Hamilton Mourão, ressaltou que se deve discutir o imposto eletrônico e que o presidente pode ser convencido da sua importância.

Assista à íntegra da entrevista:

[VIDEO1]

Escute o podcast

[VIDEO2]
*Estagiário sob supervisão de Fernando Jordão

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação