Politica

Governo mantém negociação para que países liberem recursos à Amazônia

Vice-presidente Hamilton Mourão apresentou a negociação é uma das medidas concretas do governo no sentido de frear a degradação ambiental na região

Sarah Teófilo
postado em 15/07/2020 15:00
 (foto: Divulgação/Governo do Paraná)
(foto: Divulgação/Governo do Paraná)
Hamilton MourãoO vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) voltou a dizer que o governo brasileiro está buscando negociações para que os países doadores liberem recursos do Fundo da Amazônia. "Estamos em contato direto com os embaixadores dos países doadores no sentido de que os recursos do Fundo Amazônia voltem a ser liberados", disse após segunda reunião do Conselho da Amazônia Legal nesta quarta-feira (15/7).

A ação foi apresentada como uma das medidas concretas do país na tentativa de combate ao aumento de desmatamento e queimada na região que, segundo Mourão, devem avançar ao longo do segundo semestre. "Também estamos discutindo com empresas que se apresentam para dar apoio às nossas ações do Conselho da Amazônia medidas para inovação e estímulo à bioeconomia na Amazônia", afirmou.

O Fundo Amazônia é composto majoritariamente por verbas da Alemanha e Noruega, que suspenderam repasses no ano passado. Na época, o Brasil vivenciava um aumento recorde de desmatamento, que se manteve em crescimento neste ano, e de queimadas, em meio a declarações polêmicas do presidente Jair Bolsonaro.

[SAIBAMAIS]A ministra do Meio Ambiente da Alemanha, Svenja Schulze, disse em entrevista ao jornal alemão "Der Tagesspiegel" em agosto que "a política do governo brasileiro na região Amazônica deixa dúvidas se ainda se persegue uma redução consequente das taxas de desmatamento".

Em resposta ao bloqueio de mais de R$ 150 milhões da Alemanha, Bolsonaro disse então: "Ela [Alemanha] não vai comprar a Amazônia. Vai deixar de comprar a prestação a Amazônia. Pode fazer bom uso dessa grana. O Brasil não precisa disso;, declarou. Depois da Alemanha, a Noruega bloqueou recursos de cerca de R$ 130 milhões.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação