Politica

Derrota do governo no Fundeb mostra que apoio do 'centrão' não é irrestrito

Planalto articula há meses uma base para conseguir aprovar matérias. Mas, diferentemente de bolsonaristas, os partidos e parlamentares permanecem com suas pautas

Maíra Nunes, Sarah Teófilo
postado em 22/07/2020 21:04
Planalto articula há meses uma base para conseguir aprovar matérias. Mas, diferentemente de bolsonaristas, os partidos e parlamentares permanecem com suas pautasA derrota do governo na proposta de emenda à Constituição (PEC) do Fundo de Desenvolvimento e Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) na Câmara dos Deputados foi uma amostra de que a tão sonhada base governista com partidos do chamado ;centrão; no Congresso não será irrestrita, como é o caso do apoio que o presidente Jair Bolsonaro tem de parlamentares bolsonaristas.

O governo ensaiou um teste desta base: mandou uma proposta que foi duramente rechaçada e acabou sendo derrotado. Mas não foi para o embate. Buscou um acordo, e ainda tenta vender que a derrota do governo, que não conseguiu emplacar pontos enviados no fim de semana, tratou-se de uma vitória - o que não foi.

No Congresso, já se fala que o ;centrão; está dividido entre os chamados ;puro sangue;, que aceitam as propostas do governo de forma mais receptiva e atuam conforme os interesses do Planalto (seriam o PP, PSD, PL e Republicanos), e os mais ;moderados;, que dialogam, mas não recuam em pautas consideradas importantes (que seriam, por exemplo, o Solidariedade, Patriota e Avante).

E é claro que a pauta da Educação tem um apelo muito grande entre parlamentares, que recebem cobranças da população e de entidades representativas. Deputados afirmam que não dá para votar contra a Educação. Para o líder de um partido consultado pelo Correio, o governo percebeu que se fosse ao enfrentamento, iria sofrer uma derrota mais sonora. De acordo com este parlamentar, é notório que o ;centrão; é uma base com instabilidade, que segue ao lado do governo ;até certo ponto;.

[SAIBAMAIS]O ;centrão;, que ganhou espaço no governo nos últimos tempos, com cargos em ministérios, foi chamado para ajudar o Planalto. Na segunda e terça-feira, o ministro Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), interlocutor do governo, se reuniu com lideranças de diversos partidos, incluindo PP, Republicanos e Solidariedade.

Na conversa, Ramos pediu mais tempo para conseguir articular a proposta enviada pelo governo no fim de semana. Pediu também apoio na ideia de um Fundeb só a partir de 2022, uma fatia de 5% para o Renda Brasil (que deve substituir o Bolsa Família) e um teto de 70% para pagamento de profissionais da educação. O projeto aprovado acabou sem nenhuma delas.

Um parlamentar de um partido do centrão disse à reportagem encarar que, no fim, o governo acabou sendo prudente. ;Não podia correr o risco de testar a sua base em um tema como este;, disse. Segundo ele, o governo tem percebido que ações assistencialistas - como o auxílio emergencial - dão resultado, e por isso o ministro Paulo Guedes (Economia) resolveu enviar, ainda que de última hora, a proposta dos 5% para o Renda Brasil, sem pensar bem no ;reflexo político;.

;Nunca foi fácil manter o centrão, fazer essa negociação. O governo sabe disso, e tem procurado se alinhar;, disse este mesmo deputado de um partido que integra o centrão. A redução das falas polêmicas, dos embates com os outros poderes, são todos reflexos desse alinhamento de um governo que percebeu não ter governabilidade, e que busca passar a ter.

;Não dá para governar só com as pessoas ligadas com as ideias deles. Não dá para governar só com ala ideológica e militares. Mas não vai ter votação fechada. Tem que ter discussão;, disse o deputado.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação