Politica

Cristovam Buarque: Não adianta trocar ministro se educação não é prioridade

O ex-senador fez ainda críticas aos erros de partidos progressistas que, segundo ele, levaram Bolsonaro à Presidência

Israel Medeiros*
postado em 27/07/2020 15:44
Cristovam Buarque no CB.PoderO governo Bolsonaro não tem a educação como prioridade, então não adianta trocar o ministro. É o que afirma o ex-senador Cristovam Buarque, que já foi governador do Distrito Federal e titular da pasta, no primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva. Em entrevista ao CB.Poder ; parceria do Correio Braziliense e da TV Brasília ;, nesta segunda-feira (27/7), Buarque afirmou que, em comparação com as "caricaturas" que estiveram à frente do MEC durante a gestão atual, o novo ministro, pastor Milton Ribeiro, parece ser melhor.

"Quem faz a educação não é o ministro, é o presidente da República. Eu creio que o atual presidente não tem a menor sensibilidade para a educação, então não adianta mudar o ministro. Mas creio que esse será melhorzinho que os anteriores, que pareciam caricaturas. Esse não parece ser uma caricatura ; é cedo para dizer ;, mas ele vai ter muitas dificuldades porque o governo não tem prioridade na educação", avaliou o ex-senador.

[SAIBAMAIS]Buarque ainda considerou "lamentável" as confusões envolvendo o MEC e ministros anteriores do governo Bolsonaro, especialmente as situações recentes que resultaram na saída de Abraham Weintraub. "É lamentável porque essa bagunça nos fez perder tempo. Primeiro na questão da pandemia, segundo, a falta de manutenção das coisas que funcionavam e, finalmente, a maior perda de tempo pra mim é que não estamos formulando a estratégia para que o Brasil saia do atraso educacional nos próximos anos. Estamos perdendo muito tempo já faz décadas, e agora mais ainda com esse governo", afirmou.

O ex-ministro também comentou sobre a aprovação do Fundeb e disse que, caso não fosse aprovado, seria uma tragédia para a educação brasileira. Mas ele ressaltou que, mesmo com a manutenção do Fundeb, a área passa por sérios problemas. "Eu tenho uma posição que não é muito popular: sem o Fundeb seria uma devastação, mas com ele ainda não é uma construção da educação que precisamos. Transformamos o Fundef em Fundeb no governo Lula, há mais de 10 anos, e isso não fez com que o Brasil fosse para os melhores do mundo, continua entre os piores", defendeu.

Em 2019, Cristovam Buarque lançou o livro Por que falhamos ; O Brasil de 1992 a 2018, em que lista os erros dos partidos progressistas que chegaram à presidência da República após a redemocratização. Para ele, é óbvio que a causa da eleição de Jair Bolsonaro foi a série de erros cometidos pela esquerda. "Muita gente não gosta que eu fale isso, mas é tão óbvio. Bolsonaro foi eleito como uma resistência ao que estava lá. Eu inclusive perdi uma eleição porque o eleitor achou que tinha que me substituir, então quem errou fui eu. Nós somos os democratas e progressistas. O primeiro erro foi quando Fernando Henrique e Lula, que estavam unidos durante a ditadura, passaram a brigar depois da redemocratização para ver quem elegia o prefeito de São Paulo", comentou.

As utopias dos partidos progressistas, segundo Buarque, se perderam. A única utopia defendida por ele, afirmou, seria uma em que o Brasil é referência em educação e as escolas dos ricos e pobres são do mesmo nível. Outro erro, para ele, foram as narrativas falsas e populistas. "Criamos narrativas falsas e acreditamos nelas. Por exemplo, a história de que tiramos 30 milhões da pobreza e colocamos na classe média com o Bolsa Família ; que veio da Bolsa Escola, que eu criei no DF. Mas eu não vou inventar essa narrativa falsa. A Bolsa Escola ia sim erradicar a pobreza mas pela escola, não pela bolsa", opinou.
Cristovam completou dizendo que outro grande erro cometido foi a tolerância à corrupção. "Nossos governos fecharam os olhos para a corrupção. Neste momento, eu vejo muita gente se preocupar porque o Bolsonaro pode estar na frente para as eleições de 2022. Não basta se preocupar, temos que procurar onde erramos e formular propostas. Também precisamos saber quais os grupos que estão juntos e, finalmente, quem vai encarnar isso. Se não conseguirmos, o povo vai dar o troco não votando em nós."

Assista à íntegra da entrevista:

[VIDEO1]

Ouça a entrevista em formato podcast:

[VIDEO2]

*Estagiário sob a supervisão de Fernando Jordão

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação