Politica

Pimentel tem denúncias de lavagem de dinheiro e corrupção arquivadas

Justiça Federal argumenta que faltam provas para prosseguir com o caso

Matheus Muratori/Estado de Minas
postado em 29/07/2020 10:38
Último cargo político de Pimentel foi como governador, entre 2015 e 2018A Justiça Federal arquivou denúncias de 2012 contra Fernando Pimentel (PT), ex-governador de Minas Gerais, ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil e ex-prefeito de Belo Horizonte. Os documentos apresentados levantavam suspeitas de crimes como corrupção passiva e lavagem de dinheiro por parte do político.

As denúncias, arquivadas nessa terça-feira, referem-se à época em que Pimentel era ministro do governo Dilma Rousseff (PT). O ex-prefeito de BH, investigado pela Polícia Federal (PF), era suspeito de participar de um esquema de financiamento ilegal de campanhas eleitorais para as eleições municipais de 2012.

Segundo a PF, que à época indiciou Pimentel por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o então futuro governador mineiro usava nome de empresas de parentes, como a esposa, para lavar dinheiro e ter benefícios financeiros ilícitos. O arquivamento das denúncias foi um pedido do Ministério Público Federal (MPF), que alegou que faltavam provas para seguir com o caso.

[SAIBAMAIS]A defesa de Pimentel, em contato com o Estado de Minas, divulgou nota que diz que ;o arquivamento era pra ter ocorrido há muito tempo;. ;O resto é especulação. Arquivamento era a única alternativa;, conclui.

Absolvição na semana passada

Na semana passada, Pimentel teve outra vitória. O ex-governador foi absolvido pelo Tribunal Regional Eleitoral do estado (TRE-MG) em ação que investigava crime de falsidade ideológica durante as eleições de 2010. O órgão, que acatou a denúncia em abril de 2019, considerou que as provas apresentadas são insuficientes.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação