Publicidade

Correio Braziliense

Bolsonaro volta a defender a cloroquina e diz que "estudou" sobre o remédio

"É o que tem. Então vamos usar, ora. Ouvindo o médico, obviamente", declarou.


postado em 31/07/2020 17:05

(foto: AFP / EVARISTO SA)
(foto: AFP / EVARISTO SA)
O presidente Jair Bolsonaro negou nesta sexta-feira (31/07) ter apostado na cloroquina, remédio defendido por ele no tratamento do covid-19, mesmo sem comprovação científica de eficácia. Segundo o chefe do Executivo, ele estudou sobre a medicação.

“Olha só. Cloroquina, não é que eu apostei. Eu estudei a questão junto com médicos, via como estava sendo feito no mundo, em especial em países da África e quando você não tem alternativa, não proíba o médico que por ventura queira usar aquele tratamento. Se não fosse essa tentativa e erro da questão do receituário off label, fora da bula, muitas doenças ainda estariam até hoje existindo no mundo. Agora ainda não temos alternativa. O pessoal fala "ah, não tem comprovação científica". Todos nós sabemos que não tem comprovação científica, agora não tem também ninguém cientificamente dizendo que não faz efeito. É o que tem. Então vamos usar, ora. Ouvindo o médico, obviamente”, declarou.

Bolsonaro reiterou que melhorou com a ajuda da hidroxicloroquina.  Mais cedo, ele exibiu uma caixa do medicamento a apoiadores. Ele também elogiou a maneira como o prefeito de Bagé, Divaldo Lara, conduz a crise na cidade, ‘sem fechar quase nada’.

“O médico falou que, a princípio, era sintoma de covid, imediatamente me receitou cloroquina e no dia seguinte estava 100%, e naquele dia seguinte também deu resultado positivo do exame. Não tem problema. É uma coisa que tem que enfrentar desde o começo. Eu não quero criticar vocês porque é meu primeiro contato, a grande mídia me massacrava e eu sempre falei: não tem como fugir vamos enfrentar, proteger os mais idosos, quem tem comorbidades, fazer como o prefeito fez aqui em Bagé. Parabéns, praticamente não fechou nada aqui”, concluiu.



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade