Politica

Ministério abre investigação sobre dossiê contra opositores do governo

Sindicância será conduzida por equipe formada para avaliar o uso da estrutura da pasta para perseguir policiais do movimento antifascismo

Renato Souza
postado em 03/08/2020 21:02
Sindicância será conduzida por equipe formada para avaliar o uso da estrutura da pasta para perseguir policiais do movimento antifascismoApós uma série de críticas sobre a condução de diligências que miram integrantes do movimento antifascismo, o ministro da Justiça, André Mendonça, determinou, nesta segunda-feira (03), abertura de investigação sobre o caso. A intenção é apurar a criação de um dossiê contra servidores que fazem oposição ao governo. Na mira do documento, que foi repassado para órgãos de inteligência e setores políticos, estão policiais civis, militares e federais.

Além de abrir procedimento para tratar do caso, o Ministério da Justiça também trocou a chefia da Diretoria de Inteligência da Secretaria de Operações Integradas (SEOPI), onde teria ocorrido as atividades que miraram os alvos. De acordo com a pasta, a comissão que vai conduzir a sindicância "é composta por um delegado de Polícia Federal, integrante da Corregedoria-Geral do MJSP; um Procurador da Fazenda Nacional e um Auditor Federal de Finanças e Controle da Controladoria-Geral da União".

O órgão também afirmou que "o ministro André Mendonça está à disposição para prestar esclarecimentos à Comissão Mista de Investigação da Atividade de Inteligência, aguardando apenas a definição da data". O caso, que foi revelado pelo jornal Estado de São Paulo apontou que o governo colheu informações sobre o grupo intitulado "Policiais Antifascismo".

As informações abriram espaço para perseguições políticas dentro das corporações, governos estaduais e no governo federal. O Ministério Público Federal (MPF) solicitou respostas do Executivo sobre as denúncias, e pode solicitar abertura de processo cível ou criminal contra os autores, caso as irregularidades no uso da máquina pública sejam comprovadas.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação