Estabilidade da moeda dinamizou o mercado imobiliário nos últimos 20 anos

O volume de crédito à compra de moradias aumentou 7.287%. Os juros caíram e a renda foi preservada

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/07/2014 06:05 / atualizado em 03/07/2014 08:07

A economista Pâmela Marra acabou de comprar um apartamento de um quarto, sonho que acalentava desde muito jovem. Pagará o imóvel ao longo de 20 anos. “Queria, de todo jeito, me livrar do aluguel. Acho um desperdício de dinheiro”, diz. Aos 24 anos, ela não tem a menor noção do quanto foi difícil para toda uma geração de brasileiros, incluindo os pais dela, realizar o sonho da casa própria. Antes da edição do Plano Real, em julho de 1994, assumir dívidas era um risco enorme, devido ao estrago provocado pela hiperinflação no orçamento doméstico.


Mesmo os que tinham renda suficiente para ingressar no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) padeciam. Os juros eram absurdos e, por temerem calotes, os bancos recusavam a maioria dos candidatos à compra de moradia. “Assumi uma dívida de R$ 350 mil. E tenho certeza de que vou pagá-la antes do previsto”, afirma Pâmela, saboreando os benefícios da estabilidade.

Daniel Ferreira/CB/D.A Press


O crescimento do mercado imobiliário durante os 20 anos do Real foi espetacular. Em 1994, os bancos financiaram apenas 61 mil imóveis para a classe média. Neste ano, serão 609 mil — um salto de 900%. O volume de recursos liberados pelas instituições financeiras acompanhou o processo de multiplicação. Passou, no mesmo período, de R$ 1,7 bilhão para R$ 125 bilhões, crescimento de 7.287%.

Leia outras reportagens no Especial 20 anos do Real

“Houve uma combinação de fatores positivos nas últimas duas décadas”, diz Flávio Prando, vice-presidente de habitação econômica do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP). O primeiro deles, o controle da inflação. O Brasil saiu de índices anuais superiores a 2.000% para taxas de um dígito. Ao longo do processo de estabilização, a oferta de empregos aumentou e o poder de compra se manteve protegido, permitindo a tomada de crédito.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Rogério
Rogério - 02 de Julho às 21:58
Em nada se assemelha a situação vivida pelo mercado imobiliário brasileiro ao americano. Os juros praticados pelos EUA são irrisórios, comparados aos daqui. O que aconteceu lá foi uma sucessão de fatores envolvendo atores econômicos que resultou naquilo. Portanto, não há esse risco de "bolha" aqui.
 
Tarcísio
Tarcísio - 02 de Julho às 16:10
Tudo bem. Agora o grande perigo, em tudo isto, é a possibilidade do surgimento de uma "bolha imobiliária", conforme aconteceu nos EE. UU., com uma repentina desvalorização dos imóveis e a alta nos valores das prestações.