Publicidade

Correio Braziliense RELACIONAMENTO

Sem medo de recomeçar

Casais idosos cada vez mais optam pela separação e pelo recomeço na terceira idade. Histórias que inspiraram uma escritora norte-americana a conhecer quem são essas pessoas nos quatro cantos do mundo


postado em 22/06/2010 16:42 / atualizado em 26/06/2010 20:13

Rayanne Portugal
Especial para o Correio

Caroline e Ted foram casados por 53 anos. Um feliz casal de terceira idade. Até o dia em que, depois de enfrentar uma complicada doença nos rins, Caroline decidiu se separar. Depois de um delicado transplante, a primeira coisa que lhe passou pela cabeça foi que estava perdendo o resto de vida que teria ao lado de alguém que não a fazia mais feliz.
A história, retirada da obra da escritora norte-americana Deirdre Bair, é apenas um entre os milhares de relatos reais de pessoas que decidem recomeçar após os 60 anos. O livro Começar de novo — O divórcio na terceira idade reúne depoimentos de quase 400 pessoas que viveram separações. Maridos, mulheres e filhos adultos americanos, canadenses, australianos, europeus e asiáticos foram entrevistados durante dois anos de pesquisa.
No Brasil, o divórcio na terceira idade tem crescido mais do que o número geral de separações e divórcios em outras faixas etárias. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e IBGE, em quase 10 anos, houve um aumento de 9,1% no número de separações e divórcios realizados no país: cerca de 441 mil, em 1999, e 482 mil, em 2008. Desse total, o número de pessoas que decidiram encerrar seus relacionamentos após os 60 passou de 14,3 mil para 25,5 mil no mesmo período — um aumento de 79%.

Vany Chagas Jacinto faz parte dessa estatítica. Bem educada e culta, a jovem de 21 anos se casou com Sebastião Jacinto em 1955. Ajudou o marido a cuidar da fazenda da família enquanto dava aula para as crianças que viviam nas redondezas — filhos dos colonos que trabalhavam no interior de Franca, São Paulo. Quando o marido precisou vender as terras, passou a criar os sete filhos sozinha para que Sebastião pudesse ganhar a vida como administrador de propriedades rurais pelo Brasil afora. Foram mais de 10 anos recebendo o marido de meses em meses, quando retornava das longas viagens a trabalho.
A distância talvez tenha ajudado Vany a ignorar o fato de Sebastião ter sido infiel durante os 38 anos de união. Filho de rígido militar, ele sempre fora um homem de poucas palavras, muitas regras e disciplina com os filhos. Diferente de Vany, não entendia de artes e música. Um homem simples, criado em um ambiente onde era normal ter vários relacionamentos paralelos ao casamento. Por conta dos casos do marido, o casal brigava por dias. Mas, no final, tudo voltava à rotina. “Eu não tinha tempo para isso”, justifica Vany.
Enquanto o marido viajava, Vany criava os filhos, trabalhava e estudava. A estabilidade do casamento acabou em 1992. Quando o filho Rafael Jacinto sofreu um acidente grave nos Estados Unidos, onde morava e trabalhava, Vany viveu no país durante três meses, tempo que ele levou para sair da UTI. “Quando retornei de viagem, nossos amigos e parentes estavam comentando o comportamento de Sebastião. Ele andava o tempo todo com essa nossa amiga, Maria Lúcia, de quem administrava a propriedade. Quando cheguei, ele tinha deixado nossa casa para viver na fazenda dela”, lembra Vany. A união com a amante não durou muito tempo. Em cerca de três meses, Sebastião se mudou para a casa de uma das filhas. “O tempo que meu pai passou com minha irmã foi uma experiência desastrosa”, conta Ana Maria Jacinto Elias, 47 anos, filha do casal.
Sentindo-se responsável pelo marido, que não tinha renda fixa, Vany decidiu entregar a Sebastião umas das conquistas do casal. “Nós tínhamos duas casas. Uma maior e outra menor, ao lado da que morávamos, que costumava ser alugada, como renda extra. Quando nos separamos e ele ficou sem ter onde morar, resolvi lhe oferecer a casa”, relembra Vany. Deixaram de ser casados para se tornarem vizinhos.
No início do processo de divórcio, alguns filhos questionaram Vany sobre a necessidade de oficializar a separação. Apoiada pela mãe, ela já tinha sua decisão tomada: não queria o marido de volta. Ana Maria conta que todos apoiaram a mãe. “O divórcio foi apenas uma consequência de algo que já acontecia há anos. Fiquei aliviada quando minha mãe decidiu pela separação. Meu pai sempre foi muito ausente por conta das viagens, e, talvez por isso, muito distante e mulherengo. A vinda dele para casa não era uma coisa positiva, não havia entre nós um laço paterno forte. Todos já tinham sofrido por tantos anos, que a separação foi a parte mais fácil de todo o processo”, lembra Ana Maria.
Vany acredita que a melhor coisa que fez por ela foi se separar. “Quando paro para pensar, não sei como vivi uma vida assim.” Quando questionada se sente falta do ex-marido, a aposentada é categórica: “Como posso sentir falta de algo que nunca tive? Meu marido nunca esteve por perto me dando atenção. Quem dera eu fosse dessas mulheres paparicadas pelo marido. Não sinto falta das conversas porque elas nunca existiram.”

Leia trechos do livro Começar de novo — O divórcio na terceira idade

Leia outras histórias de divórcio na terceira idade na edição imprensa

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade