Publicidade

Correio Braziliense ENTREVISTA

Quem é esta garota?

A atriz brasiliense Carolina Monte Rosa está a um passo de integrar o elenco de Mad men, o série de TV mais badalada da atualidade


postado em 23/09/2010 16:58 / atualizado em 27/09/2010 10:23

(foto: Pedro Ladeira/Divulgação)
(foto: Pedro Ladeira/Divulgação)
Início dos anos 1960. O escritório localizado na Madison Avenue, coração nova-iorquino, é asséptico só na aparência. Ali trabalham os melhores publicitários da Grande Maçã. Mas não se deixe enganar pelos ternos bem-cortados: esses almofadinhas charmosos não têm um pingo de escrúpulos, são infiéis, machistas e fumam como loucos. Assim é o universo de Mad men, série que acaba de conquistar seu terceiro Emmy (espécie de Oscar da TV norte-americana) e é transmitida no Brasil pela HBO.

Para a atriz brasiliense Carolina Monte Rosa, 29 anos, o cenário é dos mais atraentes. Ela está entre os 20 finalistas de um concurso que promete uma vaga no elenco do seriado. Na verdade, é a favorita disparado, graças ao apoio dos 119 mil internautas que clicaram em sua foto numa enquete promovida pelo site oficial de Mad men. O papel ainda não foi especificado pela produção, mas gera grandes expectativas na jovem, estudante de artes na Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, onde mora há pouco mais de um ano. Nesta entrevista por e-mail, ela conta quais são suas impressões sobre o programa.

Mad men é hoje a série mais cool da TV norte-americana. Quais oportunidades estão se abrindo para você?
Por enquanto, acho que só a possibilidade de conhecer o produtor de uma série como essa — já é o maior benefício (além da exposição nacional que a campanha trouxe). Se tudo correr bem, imagino que abra portas importantes.

Como foi sua "campanha"? A torcida maior foi a dos amigos? Ou pesou mais o voto dos internautas anônimos?

Comecou com a divulgação entre os amigos. Uma vez nos blogs, tornou-se nacional. Sem dúvida, os internautas foram responsáveis pelo resultado. Recebi inumeras mensagens de apoio e carinho de brasileiros que literalmente abraçaram a causa e me colocaram em primeiro lugar na votação. É o fenômeno da internet! E o calor da torcida brasileira.

Um tema subjacente do seriado é a figura do self-made man, aquele que constrói o próprio destino. De alguma forma, participar dessa seleção faz parte do seu "american dream"?
Eu me identifico muito com os personagens da série. E sei que o diretor leva em consideração aspectos da vida pessoal dos atores no momento da escolha do elenco. Acho que não tem jeito: uma coisa se relaciona com a outra. Sem dúvida uma participação em Mad Men seria a realizacao precoce do meu american dream. Ainda bem que a gente sonha bastante...

Qual personagem feminina da série você mais se identifica?

Eu me vejo em cada uma das três personagens principais da serie: Betty, Joan e Peggy. Elas são absolutamente diferentes, mas todas carregam uma alma feminina muito atual e presente. Cada uma tem o seu drama, e eles me parecem familiares.

Don Draper, o personagem-chave da trama, passa por um momento de reviravolta. Como o seu papel poderia se encaixar nisso?
Você está sugerindo algo?! (Risos) Imagino uma personagem provavelmente latina dos anos 1960 (gostaria que fosse brasileira). Poderia entrar na agência de publicidade. Tenho pensado sobre isso, estou desenvolvendo.

Outro tema importante tratado é o papel da mulher em uma sociedade ainda muito machista. E há sempre uma tensão entre o público e o privado. Como você percebe essa questão? Mad men é parte do passado ou tem algo a nos ensinar?
Mad Men retrata o passado muito bem. Mas acho que são questões universais e atemporais. A emancipação da mulher no trabalho ainda hoje é um tabu em termos da concorrência com o homem, assim como as armas femininas que podem ou não ser usadas. Da mesma forma, a relação de matrimônio, a questão da fidelidade e o trato dos sentimentos ainda hoje são de fundamental importância.

A moda é um dos charmes de Mad men. Você gosta dessa estética? Como foi se transformar em uma pin-up para a foto de divulgação do concurso?
Eu acho que essa estética enaltece a beleza feminina, é elegante, sexy, bonita. Pra mim, foi mágico! Não sei como deixamos essa estética passar. Mas dá trabalho! Me pergunto como essas mulheres tinham tempo para tamanha produção.

Como brasileira, o que mais lhe causou estranhamento na cultura estadunidense? Somos muito diferentes?
Tive um choque enorme com a cultura durante os primeiros meses. A dificuldade de comunicacao é um fator que afeta nossa personalidade e a imagem que temos de nós mesmos. Além de uma espécie de reconstrução, acho que senti a diferença do humor e do ethos americano. Eles têm inumeras qualidades, mas de uma forma geral, conhecem muito pouco do que existe “lá” fora. Os mais antenados, porém, são de tirar o chapéu.


Ficha completa
Foto que a tornou conhecida dos fãs do seriado(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
Foto que a tornou conhecida dos fãs do seriado (foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
Nome:
Carolina Vilas Boas Monte Rosa
Idade: 29
Signo: escorpião
Medidas: 1,72cm – 52kg (variável, alérgica a glúten!)
Formação: administracao e jornalismo
Principais trabalhos: No teatro: A página em branco, Medeia: Gaia em fúria, ARS. No cinema: O beijo da meia-noite, The shadow of strangers, Amateur hour. Na TV: Oficina Mix, Festas e Noivas, Referendo de Armas no Brasil, Operation Beelzebuddy, videoclipe Heads/Tails da banda Hotspur (tá na MTV)
Modelo de atriz: a lista é grande, essas respostas são sempre abundantes! Natalie Portman, Eva Green, Julia Jentsch, Anne Hathaway, Ellen Page, Naomi Watts, Helena Bonham Carter, Sophie Marceau, Marrion Cottilard, Penelope Cruz, Meryl Streep, Juliette Binoche, Cate Blanchett e, claro, as Mad Men January Jones, Elisabeth Moss e Christina Hendricks. No Brasil, temos grandes atrizes. minhas maiores referências são: Fernanda Torres, Patrícia Pillar, Marília Pera, Camila Pitanga, Dira Paes, Liliana Castro e Caroline Abras.
Filmes favoritos: A insustentável leveza do ser, Closer, Brilho eterno de uma mente sem lembranças, Encontros e desencontros, Edukators, Easy rider.
Papel dos sonhos: Janis Joplin, Frida, a Lizzy de Orgulho e preconceito, Alice (no País das Maravilhas). Qualquer papel nos filmes de Woody Allen, Sam Mendes, Hans Weingartner, Bertolucci ou Tim Burton. No momento, May da peça Fool for love, or Vanda da peca Venus in furs.
Gosto musical: indie rock (Arcade Fire, Beirut, Belle & Sebastian), Pearl Jam, Bob Dylan, Johnny Cash, Rolling Stones, som nacional (Cazuza, Legiao, Los Hermanos, Cordel, Jorge Ben), e, claro, Surf Sessions (banda de Rafael Monte Rosa, irmão de Carolina).
Exemplo de beleza: Eva Green, Sophie Marceau, Liv Tyler.
Style: pin up, Jackie O.
Um ícone pop: Mulher-Maravilha

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade