Publicidade

Correio Braziliense CASA

Material versátil

Facilmente moldável, o plástico caiu no gosto de designers arrojados quando o assunto é utilitários do lar. Versão ecologicamente correta já é realidade


postado em 01/10/2010 19:43 / atualizado em 01/10/2010 22:07

O carrinho multiuso com três caixas da OU é de plástico sustentável(foto: OU/Divulgação )
O carrinho multiuso com três caixas da OU é de plástico sustentável (foto: OU/Divulgação )
Foi-se o tempo que artigos de plástico ficavam restritos à cozinha da casa. O plástico foi promovido. Agora ele é material nobre que está nas mesas de jantar, nos quartos e na sala de estar. São luminárias, mesas de apoio, bancos, cadeiras e até refinados jogos de servir. O material é praticamente o mesmo, mas agora tem cores mais vivas, texturas mais delicadas e design moderno. “O plástico está presente em todos as atividades da vida, nada mais natural que também esteja decorando a nossa casa”, argumenta Daniela Zatti, diretora comercial da Coza, pioneira nesse ramo no Brasil.


De alguns anos para cá, as empresas de artigos plástico têm investido em design para agregar valor a um produto que é relativamente barato. Essa revolução ocorreu quando a indústria percebeu que o plástico é fácil de se trabalhar, pois pode ser moldado em praticamente qualquer forma. Basta comprar o maquinário apropriado e projetar os moldes. O único segredo é aliar funcionalidade a um desenho moderno. Para isso, as grandes empresas de utilitários em plástico criaram bureaus de design. Ou seja, eles tem uma equipe que é responsável por pesquisar o mercado e analisar tendências de design, além de desenhar as coleções.

 

A linha Bios da Coza mistura plástico com matéria-prima orgânica(foto: Leticia Remião/Divulgação )
A linha Bios da Coza mistura plástico com matéria-prima orgânica (foto: Leticia Remião/Divulgação )
Essa mudança de postura do mercado acabou alterando a paleta de cores e os acabamentos dos produtos. Hoje a pigmentação das peças está sintonizada no que acontece na indústria de utilitários e também no que é desfilado nas principais passarelas da moda. Por isso, a indústria dispõe de produtos com cores mais vivas, modernas e atrativas. Outra grande mudança foi qualidade dos plásticos — eles estão mais grossos para durarem mais tempo e bem acabados para não machucarem as pessoas. Com essas mudanças, acabaram surgindo qualidades diferentes de plástico, sendo o acrílico o mais nobre e o polipropileno, o menos.

A mais moderna criação da indústria, entretanto, é o plástico ecológico. Uma mistura de fibras naturais com derivados do plástico. “Isso nos dá mais liberdade — futuramente não dependeremos mais 100% do petróleo”, explica Juarez Martini um dos diretores da .

Hoje, o plástico ainda predomina na mistura, mas pelo menos 40% da composição é de bagaço de cana. As pesquisas prometem, daqui a alguns anos, uma porcentagem de fibras naturais muito maior. O produto sustentável é encontrado em diversas marcas e, assim como o plástico normal, pode ganhar qualquer forma.

 

O cesto Trama, criação da Bertussi Designdustrial para a marca OU ganhou o Prêmio IDEA. (foto: OU/Divulgação )
O cesto Trama, criação da Bertussi Designdustrial para a marca OU ganhou o Prêmio IDEA. (foto: OU/Divulgação )
Apesar das inovações tecnológicas, o uso do plástico não é adequado para todos os utilitários domésticos. “O vinagre, por exemplo, corrói o material; vinho é melhor ser servido em vidro; não existe panela melhor que o inox”, comenta Daniela Zatti. Por outro lado, produtos de plástico são mais seguros, não quebram e, por isso, indicados para crianças. Eles são leves, ao contrário do vidro, e práticos, porque podem ser colocados no microondas. Além disso, o custo benefício é o melhor do mercado, já que são baratos e duram muito tempo.

Há 20 anos, quando as empresas alemães e italianas já dominavam o mercado de utilitários de plástico no mundo, o Brasil resolveu investir em design para incrementar a indústria nacional. Na época, a importação de bens era limitada e, por isso, existia uma demanda interna que precisava ser suprida.

 



 

Luminária da Coza com cúpulas coloridas desenvolvidas em acrílico(foto: Leticia Remião/Divulgação )
Luminária da Coza com cúpulas coloridas desenvolvidas em acrílico (foto: Leticia Remião/Divulgação )
Hoje, além de prêmios internacionais, o Brasil virou um importante polo exportador. A exportação de artigos plásticos do segmento de utilidades domésticas das empresas associadas ao Programa Export Plastic movimentou US$9,2 milhões no primeiro trimestre deste ano, 24% a mais do que no mesmo período do ano passado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade