Publicidade

Estado de Minas CASA

Realismo fantástico

Já não é preciso esperar meses para ver como a obra vai ficar. Perspectivas 3D auxiliam quem têm dificuldade de entender as tradicionais plantas arquitetônicas


postado em 10/03/2011 17:52 / atualizado em 11/03/2011 19:24

É necessária uma segunda olhada para perceber que não se trata de uma foto e, sim, de um ambiente criado por computação gráfica. O realismo e a quantidade de detalhes fazem parte do conceito de maquete eletrônica, uma das novas ferramentas de trabalho de arquitetos e designers. Para quem acha difícil visualizar projetos que não saíram do papel, as maquetes são de grande valia, sobretudo na compreensão dos espaços sugeridos pelo profissional.

Segundo a arquiteta e designer de interiores Juliana Teles, a maquete digital simula ambientes, texturas e materiais de acabamento que serão usados na obra. “Isso minimiza erros, evita surpresas desagradáveis e poupa custos extras”, afirma. Mas para chegar a um nível de precisão mais próximo do resultado final, Juliana explica que é necessário reunir o máximo de informações sobre o projeto, tais como planta baixa, projeto de elétrica e hidráulica e o detalhamento do mobiliário. “Muitas pessoas não conseguem imaginar como ficará o resultado final só com o projeto em 2D. A maquete eletrônica oferece segurança e tranquilidade ao cliente nas suas escolhas e decisões.”

E se três dimensões não forem o suficiente? Nesse caso, a tecnologia ajuda a implantar uma quarta dimensão: os dados — preços, materiais de acabamento, pesos, alturas, índices de retenção de calor etc. Tudo isso para que seja facilitado o entendimento do projeto, não só pelo cliente, mas por toda a equipe de profissionais envolvidos na obra. A arquiteta Adriana Marasca explica que uma das vantagens do 4D é a possibilidade de tornar mais preciso o trabalho na construção. “As modificações no projeto são feitas simultaneamente em todas as vistas, aumentando a produtividade”, afirma.

Para os exigentes, há uma possibilidade ainda mais sofisticada: o tour virtual. Trata-se de um vídeo que simula um passeio pela residência depois de pronta. “Assim, o cliente poderá andar pela casa antes mesmo de terminada para poder sentir os espaços, as proporções e a interação entre ambientes, além de conhecer as vistas interna e externa”, explica Adriana.


(foto: Juliana Teles/Divulgação)
(foto: Juliana Teles/Divulgação)

Observe como a iluminação proveniente da parte de cima da bancada oferece vários contrastes de luz e sombra, dando volume ao ambiente. O desalinho das pastilhas de vidro que circundam todo o banheiro, a posição do papel higiênico e o bordado da toalha conferem um alto grau de realismo à imagem.

(foto: Juliana Teles/Divulgação)
(foto: Juliana Teles/Divulgação)

Neste ambiente são as texturas que chamam a atenção — as dobras do cobre-leito, a imitação do piso de madeira, o porta-retrato e os cactos na estante. Tudo isso confere verossimilhança, quebrando a ideia de perfeição exagerada associada a imagens virtuais.

Compare o “antes” e o “depois” destes projetos assinados por Brill & Maaldi Arquitetura

(foto: Brill & Maaldi Arquitetura/Divulgação)
(foto: Brill & Maaldi Arquitetura/Divulgação)

São poucas as diferenças entre o projeto e a construção. O que muda basicamente é a cor, as plantas usadas no paisagismo e o caminho na parte direita do jardim.

(foto: Brill & Maaldi Arquitetura/Divulgação)
(foto: Brill & Maaldi Arquitetura/Divulgação)

Em fase de finalização, a residência localizada no Jardim Botânico, manteve o projeto original. As cores das paredes e dos vidros, e até mesmo as palmeiras, foram trazidas do papel para a realidade.

  • Tags
  • #
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade