Publicidade

Estado de Minas ESTILO

Muito além das compras

A segunda edição do Bazar da Moda foi sucesso de público e crítica. Num ambiente confortável e sofisticado, os consumidores puderam conhecer de perto estilistas da cidade e aprender mais sobre moda e beleza


postado em 23/09/2011 18:50 / atualizado em 24/09/2011 19:10

(foto: Luís Tajes/CB/D.A.Press)
(foto: Luís Tajes/CB/D.A.Press)

Nos dois dias do seu workshop no Bazar da Moda – Revista do Correio, o maquiador oficial da Natura, Marcos Costa, não deixava o sorriso fugir do rosto. As turmas lotadas — e ele sempre insistia em deixar mais gente entrar, tanto que o chão também serviu de cadeira — aproveitaram ao máximo as dicas do expert, que retribuía com um bom humor que permeou todo o evento, patrocinado por TIM, Via Engenharia, Chevrolet, Lopes Royal e All Kitchens.

“O bazar é um dos melhores eventos do país e este ano estava incrível. Além das compras, as pessoas puderam conhecer um pouco mais sobre o universo de moda e beleza. E isso é sempre um estímulo”, resumiu Marcos. Durante os dois dias do último fim de semana, o Pontão do Lago Sul se tornou o programa de 20 mil brasilienses, que compraram, aprenderam, se divertiram e, mais que isso, mostraram o quanto a cidade se interessa por moda. Nos 45 estandes da segunda edição, 28 eram dedicados a estandes de roupas masculinas, femininas, infantis, além de lingerie e acessórios.

Os outros 17 ofereceram serviços como massagens, maquiagem, esmaltes, alimentação e mesmo uma brinquedoteca, garantindo aos pais tranquilidade para ver todo o espaço de 698m², o dobro do ano passado. No sábado, houve também um desfile produzido pela stylist Márcia Rocha. Quem foi aproveitar as ofertas saiu de sacolas cheias. A psicóloga Ana Lúcia Carmona, 56 anos, percorreu todas as lojas ainda no sábado. “Como fui sozinha, olhei tudo com calma e fui garimpando o que tinha de melhor”, lembra. Ela afirmou que, ao unir diversas marcas de qualidade em um só local, as possibilidades de encontrar bons produtos foi grande, o que justificou a visita a cada uma das marcas.

Os expositores, claro, comemoraram a quantidade de pessoas que, como Ana Lúcia, estavam dispostas a comprar. A empresária Aline Brito, das marcas Mandi, Calvin Klein e VR, já sabia das possibilidades do bazar desde o ano passado. “Vendemos 40% a mais que em 2010 e já esperávamos isso porque acreditamos muito no potencial do evento”, disse. Aline elenca os motivos que fazem o investimento no bazar ser positivo. Além da localização, já que o Pontão do Lago Sul é um lugar convidativo a diversas atividades, há o apelo das marcas.

“O público que vem aqui é muito bom e quer produtos de qualidade. Tanto que o estoque da Calvin Klein acabou ainda na manhã de sábado.” Outra loja em que o movimento foi constante nos dois dias foi a Patachou. Pela primeira vez no bazar, a grife chegou à marca de 1.700 peças vendidas ao fim do domingo, feito que normalmente ocorre em um mês de vendas comuns. “As expectativas foram superadas e muito. Tanto que resolvemos fazer a promoção no fim, com até 70% de desconto, como forma de mostrar que ficamos satisfeitos”, garantiu o empresário Rivadávia de Sá Guimarães Filho.

Ele aponta o Bazar da Moda – Revista do Correio como o melhor evento do tipo em Brasília. “Recebemos convites de outros, mas escolhemos o do Correio Braziliense por ser o mais organizado. E também porque é do nosso interesse participar de apenas um bazar ao ano.” O empresário, inclusive, falou que até mesmo os proprietários da marca, em Minas Gerais, ficaram felizes com o desempenho da Patachou. “Tentamos fazer o melhor para os nossos clientes e conseguimos”, completou Rivadávia.

O brechó Peça Rara, pelo segundo ano no bazar, também já esperava um bom movimento pela experiência do ano passado. A empresária Bruna Vascone estima que 1.000 peças foram vendidas no fim de semana. Ela elogiou o espaço, que assegurou mais liberdade até mesmo para quem só acompanhava os consumidores. “Sem falar na divulgação. Tão importante quanto o faturamento é tornar a loja mais conhecida. A gente ganha novos clientes com o bazar.” Além disso, como o brechó funciona com peças exclusivas, vendas tão expressivas ajudam também que o estoque se renove. “Com certeza queremos manter essa parceria nos próximos que vierem”, afirmou Bruna.

Informação para muitos

(foto: Dênio Simões/Esp.CB/D.A.Press)
(foto: Dênio Simões/Esp.CB/D.A.Press)

Vender não era o único objetivo do Bazar da Moda – Revista do Correio. Nos dois dias, 10 workshops trataram de assuntos que rompiam os clichês do que se espera de um evento de moda, mostrando que ela vai bem além das passarelas. Cirurgia plástica, arrumação do closet, spa em casa, além dicas de estilo e um bate-papo íntimo com a colunista da Revista do Correio, Maria Paula, encheram o fim de semana de informação. Mais de 400 pessoas participaram das palestras.

Ana Luíza Bueno, que falou sobre a matémática à favor da beleza, saiu da sua conversa cheia de novas clientes. “Já fechei vários contratos, o que me deu certeza que o assunto gera muito interesse. O evento agrega informação e vendas e muitos que vão para os workshops acabam consumindo.” Ana Maria Andrade Rufato, paisagista de 58 anos, foi uma das que se tornaram clientes de Ana Luíza já após o workshop. “Inclusive já combinamos um encontro para outubro, quando ela vai ajudar as minhas filhas, até na maquiagem”, frisou.

A psicóloga Ana Lúcia Carmona, que havia tirado o sábado para comprar, deu todo o domingo só para as palestras. A profissional disse que as informações repassadas por cada uma tinha peculiaridades que as tornavam indispensáveis e que colocá-las de graça, à disposição de quem visitava o bazar, davam o mesmo adjetivo ao evento. “Todos foram fáceis de entender, com pessoas preparadas. O bazar foi o meu fim de semana.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade