Publicidade

Estado de Minas FITNESS & NUTRIÇÃO

Do espaço para as academias

O powerplate superou a fase de modismo e se consolidou como uma opção para quem deseja uma malhação efetiva e de baixo impacto


postado em 23/10/2011 08:00 / atualizado em 21/10/2011 20:49

(foto: Iano Andrade/CB/D.A.Press)
(foto: Iano Andrade/CB/D.A.Press)
Trinta minutos que equivalem a uma hora e meia de musculação convencional em apenas um aparelho. Essa é a proposta do power plate. Com a ajuda de uma plataforma vibratória e usando o próprio peso do corpo, os exercícios em cima do equipamento proporcionam fortalecimento muscular, perda de peso e condicionamento físico — isso tudo sem impacto para as articulações.

Desenvolvido para ajudar no treinamento de astronautas na antiga União Soviética, o power plate foi aperfeiçoado pelos rivais da Nasa, preocupados com os efeitos da falta de gravidade (perda óssea e muscular) nas tripulações de missões espaciais. Adaptado às necessidades dos malhadores, chegou ao Brasil somente em 2005. “O conceito é simples: não usamos sobrecarga de peso, mas sim mais esforço físico graças ao aumento da força gravitacional causada pela aceleração da placa da máquina”, explica a educadora física Márcia Flávia Ferreira.

Dessa forma, a prevenção da osteoporose, o ganho de tônus muscular, a remoção do ácido láctico liberado no organismo (responsável pelas dores após uma sessão de musculação) e a recuperação de lesões podem ser feitas de maneira mais rápida. “Com uma maior circulação sanguínea pelo corpo, as células recebem uma quantidade maior de nutrientes e oxigênio, o que facilita o esforço da pessoa para fortalecer e acelera a recuperação de óssos e músculos”, diz Márcia.

A empresária Luciana Barbosa Salomão, 39, adotou a modalidade há dois anos. Mãe de cinco filhos e com pouco tempo para malhar, optou pelo power plate três vezes por semana para recuperar a forma e deu certo. “Acho mais interessante que a malhação convencional porque utilizamos o nosso peso para fazer os exercícios. E, além da parte física, também percebi que ajudou no aumento da consciência corporal”, afirma.

O aparelho é capaz de produzir de 30 a 60 vibrações por segundo, contraindo e alongando as fibras musculares do corpo. Os estímulos ajudam no ganho de massa muscular e flexibilidade. Além disso, é possível ter uma quebra mais eficiente da gordura do corpo, fazer drenagem linfática natural e combater a celulite.

De acordo com a educadora física Annamaria Lopez, os exercícios são realizados com três intensidades de vibração e, dependendo dos objetivos que o aluno quer alcançar, os gastos calóricos chegam a 500kcal por treino. “É importante lembrar que os agachamentos (ideiais para coxas, glúteos e abdome) e demais movimentos em cima do aparelho devem ser feitos de forma lenta. As vibrações se encarregam do resto”, garante.

Para a professora Márcia Ferreira, a principal vantagem do exercício não é apenas a boa forma. “Os alunos ganham em consciência corporal, equilíbrio e postura. Aliado a tudo isso, a parte emocional é trabalhada e eles desenvolvem uma força interior de superação por causa dos exercícios intensos”, analisa. No entanto, há algumas contraindicações, sobretudo para pessoas que têm próteses de quadril e de joelho, histórico de artrose, facilidade de deslocamento de retina e enxaqueca. Grávidas e todos aqueles com predisposição a trombose e doenças cardiovasculares também devem consultar um especialista antes de experimentar o equipamento.

Agradecimentos: Studio MF Personal e Iate Clube de Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade