Publicidade

Estado de Minas PHOTO & GRAFIA

Para o santo


postado em 29/01/2012 08:00 / atualizado em 25/01/2012 18:20

Texto e fotos por Zuleika de Souza

(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)

“Vó conheceu vô nessa festa...” Enquanto mãos de todos os tamanhos enrolam biscoitos para a festa de São Sebastião, as mulheres da comunidade rural de Monjolo-Planaltina soltam histórias como essa. Quem contou essa foi Cássia, da família Castro, pioneira na região. A pequena comunidade tem muita casos para contar. Viriato de Castro foi guia da Missão Cruls, seu neto, também Viriato, ainda vive na centenária Fazenda Monjolo. Ele ajudou a construir Brasília e a demarcar a linha norte do DF. Durante a novena que antecede a festa de São Sebastião, mulheres de várias gerações e alguns homens passam as tardes em um galpão da capelinha do santo. À noite tem reza. As tardes são momentos para atualizar as fofocas do ano, gargalhadas correm soltas. No forno de lenha, os famosos biscoitos do Monjolo — quebrador, peta e biscoitinho de queijo — espalham o cheiro por todo lugar. No fogão, dezenas de litros de leite cozinham por horas para virar um cremoso doce. Na reza, tem janta feita a várias mãos no galpão. Lá, também chegam a todo momento as doações para a festa: galinhas vivas , boi, queijos, farinhas, ovos... São Sebastião está em toda parte. A devoção é grande, vários milagres na região são atribuídos a ele. A festa mesmo dura três dias , com shows de música sertaneja, leilões, procissão e almoço. Planaltina tradicional baixa em peso no Monjolo. Mas as tardes para fazer a “comidaiada” são a melhor parte da festa.

(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)




(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade