Publicidade

Estado de Minas ENCONTRO COM O CHEF

Doces lembranças

Doceira desde criança, Angela Tonon dá dicas valiosas para preparar guloseimas deliciosas e sem aquele gosto enjoativo


postado em 06/05/2012 08:00 / atualizado em 04/05/2012 17:15

(foto: Maria Fernanda Seixas/CB/D.A.Press)
(foto: Maria Fernanda Seixas/CB/D.A.Press)
Em 1964, o escritor inglês Roald Dahl descreveu para os leitores uma viagem a um universo que despertava o interesse imaginário de muitas crianças e adultos, no livro A fantástica fábrica de chocolates, que posteriormente se tornou dois grandes blockbusters — um lançado em 1971, com Gene Wilder como o inconfundível Sr. Wonka, e outro em 2005, quando o aclamado diretor Tim Burton escalou Johnny Depp para o papel do excêntrico empresário. Mas se na ficção o dia a dia de uma confeitaria é repleto de invencionismos e uma sinistra atmosfera mágica, fora das telas, essa magia ganha uma nova forma. Menos colorida e, definitivamente, muito mais cheirosa.

No interior de São Paulo, lá pelos anos 1970, os cheiros de bala de mel e de calda de açúcar de pudim invadiam as manhãs de Angela Tonon. O pai a levava para a confeitaria todos os dias. E lá ela fantasiava seu futuro e aprendia com ele os segredos que o tornaram um grande confeiteiro da cidade. A realidade era de muito corre-corre para entregar as encomendas no prazo e para que tudo funcionasse dentro do padrão de qualidade. Os anos se passaram, Angela veio para Brasília e, dentro de casa, cuidando dos três filhos, começou a vender doces e bolos, seja por encomenda, seja no porta mala do carro, na hora de buscar os meninos na escola. Seus bolos viraram sucesso imediato entre conhecidos e amigos, e o boca a boca deixou a cozinha de seu apartamento pequena demais para tantos pedidos.

A “fábrica” de bolos virou uma sobreloja da comercial da 112 Sul. Até que a loja debaixo vagou e Angela, finalmente, abriu sua confeitaria. Da cozinha dela, saem bolos — o de abacaxi é o carro-chefe da Casa Doce —, pães diversos ultramacios, salgados, brigadeiros, docinhos, quindins, sorvetes, minibolos e todos os demais quitutes de uma confeitaria tradicional. Os segredos, Angela afirma serem poucos, porém valiosos. “Tem coisas que você aprende com o tempo, tem coisas que você aprende com a experiência dos outros. O doce, diferentemente da comida salgada, precisa de muito mais precisão. Quem está começando precisa seguir a receita à risca. Não dá para inventar, senão desanda tudo”, explica.
A quantidade de açúcar, por exemplo, é um dos diferenciais entre o doce que todo mundo gosta, e o que não agrada ninguém. “O doce tem que ser leve, e sempre muito equilibrado no açúcar. Um bolo não pode apenas ser gostoso até a segunda ou terceira garfada, e depois enjoar. Um bolo equilibrado é aquele que é tão leve e saboroso que todo mundo quer repetir”, exemplifica.

No mais, algumas lições aprendidas com o pai a acompanham até hoje. Duas delas Angela divide com a Revista. Os ingredientes nunca devem estar gelados, mas sempre em temperatura ambiente. O ovo que vem direto da geladeira pode estragar a receita. O mesmo vale para o leite e para a velha mania de colocar o fermento em pó na geladeira. Esqueça isso. A outra dica é que quando o assunto é doce, é preciso persistência. “Quantas receitas eu não precisei refazer inúmeras vezes até pegar o jeito? Faz parte…” No mais, ingredientes de boa qualidade e olho atento na receita. Seguindo essas simples instruções, todo mundo vai ter “mão para doce”.

(foto: Maria Fernanda Seixas/CB/D.A.Press)
(foto: Maria Fernanda Seixas/CB/D.A.Press)

Ingredientes
Base
30g de açúcar de confeiteiro
150g de biscoito de maisena
50g de manteiga sem sal

Recheio
700g de cream cheese
150g de açúcar
1 gema
20ml de suco de limão
30g de amido de milho
300ml de creme de leite fresco
1 ovo

Como fazer
Base
Processe todos os ingredientes e disponha no fundo de um aro untado.
Pressione para compactar e resfriar em seguida.

Recheio
Bata o cream cheese e o açúcar com um fouet até dissolver.
Hidrate o amido no suco de limão e misture com os ovos.
Junte ao cream cheese o açúcar e acrescente o creme de leite.
Recheie o aro e asse a 160º até ficar firme (em média 40 minutos).
Deixe esfriar no forno desligado por 1 hora.

Rendimento: 8 porções
Tempo de preparo: 2 horas

Serviço:
Casa Doce
CLS 112, Bloco A, Loja 29
3445-2807

Veja na edição impressa, a receita do bolo de milho cremoso

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade