Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

As células-tronco dos dentes de leite

Ainda não há consenso, mas a ciência vislumbra um imenso potencial terapêutico no material obtido a partir da primeira dentição das crianças


postado em 21/07/2013 08:00 / atualizado em 20/07/2013 22:08

Quando a ciência começou a falar sobre as células-tronco, as aplicações terapêuticas ainda eram uma incógnita. Passadas mais de três décadas, o debate ético, religioso e científico continua em aberto, mas alguns avanços são patentes. O material, que antes era extraído do cordão umbilical e das células embrionárias (a fonte mais polêmica), agora pode ser obtido a partir dos dentes de leite. Há muitas vantagens nessa descoberta.

Os dentes são ricos em células do tipo mesenquimal, raras no cordão umbilical. "As células mesenquimais são aquelas que se derivam em qualquer tecido do organismo, mas são apenas 1% das células do cordão, que têm na sua maioria células hematopoiéticas, que depois originam células sanguíneas. Por isso, descobrir uma fonte abundante e de fácil acesso é muito importante, porque elas podem ser usadas em qualquer doença que não as sanguíneas", explica Adriana Homem, diretora médica do banco de cordão umbilical BCU Brasil e coordenadora do centro de pesquisa da instituição.

Embora um pouco mais "vividas" que as células do cordão, as dos dentes podem ser igualmente úteis. "A gente não precisa refazer as pesquisas para ver do que elas são capazes, porque são as mesmas células. Só muda a fonte", diz Adriana. Alguns especialistas, no entanto, são mais cautelosos. "Em tese, as células de cordão umbilical teriam mais capacidade de originar diferentes tecidos do que as dentárias. Para ter o mesmo potencial, as células de dente de leite precisariam de intervenção laboratorial", aponta Márcio Poças Fonseca, professor do Departamento de Genética e Morfologia da Universidade de Brasília e parte de um grupo de estudos focado no assunto.

Já Irina Kerkis, do Instituto Butantan, em São Paulo, chama a atenção para outra característica importante das células do dente: a sua maior imunocompatibilidade em relação às células de cordão. "A compatibilidade é semelhante ao que ocorre com o transplante de medula óssea. Portanto, elas podem ser usadas por parentes e não parentes. Já as células mesenquimais de cordão são mais problemáticas nesse sentido", frisa. Adriana Homem acredita que, a partir do ano que vem, os bancos privados de cordão já poderão receber também dentes. Já quanto à permissão para o uso em tratamento de pacientes no Brasil, ainda é incerto. "Em um cenário otimista, eu diria que, em uma ou duas décadas, talvez, os pacientes já tenham acesso ao tratamento com células de dente, mas é apenas um palpite", arrisca Poças Fonseca.

Leia a reportagem completa na edição nº 427 da Revista do Correio.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade