Publicidade

Estado de Minas ESTILO

À moda deles

Aumenta o número de homens que buscam consultoria personalizada na hora de se vestir. Por razões profissionais ou pessoais, eles querem renovar o guarda-roupa e aprender a fazer as combinações corretas


postado em 15/12/2013 08:00 / atualizado em 13/12/2013 17:02

(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
Encontrar homens dispostos a falar abertamente da experiência de contratar um profissional que os oriente a se vestir de maneira mais adequada é uma aventura de resultado quase previsível: eles são a minoria, e muitos que já fizeram uso de tal serviço se negam a contar a história publicamente. A justificativa seria a de que a vaidade e o cuidado com a aparência colocariam a sexualidade em xeque ou até mesmo aumentariam as chances de serem vistos como fúteis. Puro preconceito somado ao desconhecimento. Um consultor de imagem tem o poder não só de organizar o armário, como de adequá-lo ao tipo físico, ao ambiente profissional, ao gosto pessoal e a seus objetivos, seja de se destacar na carreira, seja de encontrar um grande amor.

De modo geral, as mulheres estão mais familiarizadas com esse tipo de transformação que conta com a ajuda de um especialista em moda. A maioria dos homens, porém, desconhece o sentido de pagar para que um outra pessoa lhe diga o que vestir. Confundem a técnica com o simples consumo de tendências e exageros fashion. Temem ser obrigados a adotar peças que não condizem com sua personalidade. Tudo bobagem! “Quando falamos de consultoria de imagem, não estamos falando de moda. Claro que o serviço traz elementos de moda, mas a ideia é deixar a pessoa adequada à vida profissional, social, ao tipo físico e ao estilo dela”, esclarece a consultora de imagem Tininha Almeida, da Nariz Arrebitado.

O processo de mudança começa com a coragem de abandonar velhos hábitos de usar sempre o mesmo estilo. O segundo momento é o de se desfazer das peças gastas, que já não combinam com seu estilo de vida. Depois, o profissional procura associar o novo armário à rotina de trabalho do cliente, além de sua personalidade e os objetivos que ele busca com a consultoria. As novas peças, e as que sobreviveram à limpeza do armário, deverão respeitar as formas físicas desse homem e valorizar o biotipo dele. Ao final, hora das compras: ele será orientado a adquirir modelos adequados à nova fase. A proposta é montar um guarda-roupa funcional, sem exageros ou desperdícios. “Com a consultoria, a pessoa se descobre, melhora a autoestima e a forma de se comunicar com o mundo. Ela começa a transitar à vontade com seu corpo”, diz Rosanna Tarsitano, consultora e coach em gestão da imagem.

O engenheiro químico Roberto Zanetti, 44 anos, é desses que evita associar a mudança de visual à ajuda de uma profissional da moda. A justificativa é que, no meio em que trabalha, essencialmente masculino, não faltam piadas direcionadas aos mais vaidosos. Por isso, prefere ser discreto. Poucos sabem que, há mais ou menos dois anos, contratou uma consultoria de imagem para modernizar o estilo e aprender a se vestir melhor. Naquela época, estava recém-separado e ficou perdido diante das combinações de peças e de cartela de cores das roupas.

Para trabalhar, até não errava muito. O combo “terno escuro e camisa clara” tirava de letra. Mais complicado ficava quando a proposta era um look informal, com roupas casuais. “Sempre usava a mesma combinação”, conta. Com medo de errar, nunca pensou em usar tons coloridos, como rosa, por exemplo. Hoje, arrisca e descobriu que dá certo.

Também começou a usar dicas valiosas a seu favor. Como tem estatura baixa, aprendeu que a barra italiana, como usava, dá a impressão de pernas ainda mais curtas. Entendeu que listras horizontais alongam a silhueta. São regrinhas que parecem besteirada fashion, mas fazem muito bem ao ego. “Aprender a se vestir te dá mais segurança. Não é para estar na moda, mas para aprender a fazer escolhas que valorizam o corpo e aumentem a autoestima”, define o engenheiro, que, na dúvida, preferiu não ser fotografado.

Na prática, o consultor de imagem vai ensinar o cliente, assim como faz com as mulheres, a escolher as peças mais adequadas ao seu corpo e ao seu trabalho. Tininha explica que muitos jovens em ascensão profissional querem mudar o estilo quando percebem que o ar despojado da combinação jeans e camiseta já não condiz mais com o cargo que ocupam ou que almejam.

O arquiteto Arnaldo Pinho sempre lidou com destreza com cores e formas. Seu olhar é obviamente estético, mas, ainda assim, não se sentia seguro em ousar nas estampas e misturar as peças. Procurou ajuda profissional não só para modernizar o estilo, mas para se vestir de maneira mais formal, condizente com os ambientes que frequenta por causa do trabalho. “Usava muito jeans e polo, mas o trabalho exige minha presença em festas, eventos, e queria adotar um estilo mais clássico, até para passar mais credibilidade, já que só tenho 29 anos.”

Assim, trocou o sapatênis, “que nem sei se está na moda”, pelo mocassim, que usa sem meia. As camisetas polo agora são usadas na balada. Para trabalhar, adotou camisas listradas e até as com poá, tudo em modelagem slim para valorizar o corpo magro. Comprou calças riscas de giz e algumas em tons antes impensados, como tomate e vinho. “Nnunca imaginei usar uma calça dessas cores, mas agora combino com branco, preto, e gosto”, diz.

Tomou tanto gosto pela brincadeira que, quando está em um shopping ou em uma viagem e vê uma peça bacana, manda uma mensagem para a consultora aprovar. Tem se saído bem e, em geral, ela aprova as escolhas dele. “As pessoas começaram a reparar que eu estava me vestindo diferente e até perguntam se eu tenho personal. Tenho recebido inclusive mais elogios.”

Homens que acabaram de se separar e já não contam com a ajuda da companheira sentem-se perdidos na hora de combinar as peças e pedem ajudam. Outros querem apenas atualizar o guarda-roupa, deixar um estilo careta de lado. A consultora de imagem Clarice Dewes, da Claire Consultoria de Imagem e Estilo, aposta em uma mudança de mentalidade e acredita que os homens estão mais interessados em ter a roupa como aliada. “Muitos procuram a gente com desculpa profissional, mas, conversando, descobrimos que eles querem mudar o estilo para todos os aspectos da vida.”

ELES SÃO DIFERENTES DELAS
» Os homens se sentem mais inseguros na hora de ousar nas combinações, seja pela falta de paciência de comprar peças,
seja pela desinformação do que devem vestir.
» Entre os maiores erros cometidos por eles na hora de escolher uma roupa, estão a falta de noção de proporção das peças, o comprimento das camisas e das mangas e a altura das barras das calças.
» Na hora das compras, os homens são mais práticos que as mulheres. Eles querem peças funcionais.
» Quando eles saem com a consultora para o shopping, em geral, experimentam as roupas sem reclamar, querem entender as
escolhas e tomam gosto pela prática.
» A ideia da consultoria é deixar o cliente apto a fazer as próprias combinações sozinhos.
» Os homens são menos ligados às tendências de moda, mas nem
por isso dispensam uma dica do que se está usando no momento.
» Homens têm um pouco mais de resistência em ousar.
» Eles têm menos dificuldade de misturar as peças porque a quantidade de opções é menor. Entretanto, não têm muita criatividade.
» Homens consomem menos. Às vezes, no armário deles faltam
peças e eles usam a roupa até ficar bem gasta.
» Normalmente, o armário deles é mais restrito e dificilmente
eles mantêm peças que não usam.

Fontes: Tininha Almeida, da Nariz Arrebitado, e Clarice Dewes, da Claire Consultoria de Imagem e Estilo

APRENDA AGORA MESMO
» O homem de estatura baixa deve apostar em looks do mesmo
padrão de tecido e cor; em riscas verticais; calça na altura da cintura; ombreiras discretas nos ternos; blazer mais ajustado ao corpo; padronagens miúdas; camisas com lapelas pontudas e colarinho mais estreito. Evite as barras italianas; as gravatas e as lapelas largas; os paletós; as jaquetas ou os casacos largos e as calças de cavalo baixo.
» O homem com barriga pronunciada deve apostar em cós da calça
na altura da cintura; jaquetão (se for mais alto); camisas em tons mais escuros com tecidos mais pesados e de bom caimento para não
marcar as gordurinhas. Evite coletes; camisas justas e curta;
além de estampas grandes.
» Os mais altos ficam bem com listras horizontais; calças com barra italiana; camisas em tons coloridos (que chamam mais atenção do
que a estatura); paletós levemente mais compridos; ombros maiores
e calças com pregas. Deve evitar gravatas finas; camisas e malhas de listras largas e verticais; look monocromático e calças curtas.
» O homem executivo tem que ter cuidado ao combinar tecidos diferentes
do paletó e da calça. A escolha deve ser harmoniosa e equilibrada.
Nada de usar um blazer de lã grossa com uma calça leve em
algodão, por exemplo.
» Brinque com as cores. Mantenha as cores tradicionais nos ternos
e nas calças, e cores diferentes nas camisas ou nas gravatas.
» Lembre-se de que as camisas iluminam o rosto. As cores azuis e brancas favorecem a maioria dos homens.
» A largura certa do paletó é aquela que deixa o homem confortável quando se senta.
» Verifique as costuras e forros internos das peças. Quanto melhor a roupa for por dentro, melhor caimento terá.
Fonte: Dicas de Rosanna Tarsitano, consultora e coach em gestão da imagem.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade