Publicidade

Estado de Minas NUTRIÇÃO

A frutinha "mágica"

De origem asiática, a goji berry virou febre em todo o mundo. Rica em vitamina C e em outros importantes nutrientes, ela é anti-inflamatória e fortalece o sistema imunológico. Mas especialistas advertem: ela, por si só, não emagrece


postado em 06/04/2014 08:00 / atualizado em 11/04/2014 12:09

(foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press)
(foto: Daniel Ferreira/CB/D.A Press)
Está aberta mais uma temporada de corrida às farmácias e aos mercados em busca de um alimento, supostamente, milagroso. O nome da vez é goji berry, um tipo de fruta vermelha de origem asiática — a maioria chega aqui importada do Tibete — parecida um pouco com um tomate cereja, um pouco com uma uva. No Brasil, a tal frutinha surgiu no ano passado já com a promessa de colocar a saúde e o corpo em dia. De repente, revistas, blogs e sites começaram a espalhar dietas milagrosas em suas páginas, prometendo resultados na balança só de incluir a fruta na alimentação. A lista de benefícios para a saúde que a frutinha oriental carrega, segundo os especialistas, vai longe: é rica em vitaminas e aminoácidos, melhora a disposição, estimula o sistema imunológico, regula a pressão arterial, protege a pele contra os danos causados pelo sol, combate a celulite e outros tipo de inflamação e ainda modula o colesterol.

"Em geral, as frutas vermelhas são ricas em antioxidantes, por isso são recomendadas para auxiliar no retardo do envelhecimento precoce da pele e na prevenção de doenças degenerativas. Mas a goji apresenta alguns benefícios extras", explica Thaís Souza, nutricionista da rede Mundo Verde. Um deles foi confirmado recentemente em um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition, que concluiu que uma xícara de chá da fruta na sua forma desidratada tem 2,5g de vitamina C — 50 vezes mais que a quantidade encontrada em uma laranja. Na sua forma natural, tem 2g da vitamina a cada 100g da fruta. "A vitamina C estimula a atividade imunológica, aumenta a resistência a infecções e protege o organismo contra gripes e resfriados. Além disso, a goji é rica em betacaroteno, que acelera a produção de células do sistema imunológico, e em vitamina E, que estimula a produção de linfócitos B", complementa a nutricionista.

Os asiáticos colocam tanta fé nos poderes de cura da fruta que existem festivais anuais dedicados a ela no Tibete, na Mongólia e na China. Por aqui, seu consumo é bem mais recente, mas a goji já vem sendo considerada um superalimento — os alimentos recebem esse status quando têm grande concentração de nutrientes em comparação a outros —, ao lado de sementes como a chia e a linhaça e mesmo a quinoa, produtos que também tiveram seu momento de fama tão logo suas propriedades nutricionais foram reveladas.

Ser "super", no entanto, defende o médico nutrólogo Dmitri Gabriel Homar, não significa que ela seja milagrosa, como vêm pregando algumas dietas e revistas especializadas. "Significa que ela é superior a outros alimentos. Mas não tem esse efeito mágico que algumas pessoas vêm acreditando", diz o médico, diretor da Associação Brasileira de Nutrologia. "Não é a oitava maravilha do mundo", continua.

Quanto ao poder de emagrecimento, por exemplo, o médico diz que não funciona exatamente como algumas pessoas acreditam. "Uma quantidade de 100g de goji desidratada tem cerca de 250 calorias. Ela, na verdade, tem o poder de saciar, faz você se sentir satisfeito mais rapidamente do que outras frutas. Mas, para que isso aconteça, você precisa comer uma quantidade razoável dela. E aí acaba ingerindo muitas calorias. Além disso, a obesidade é uma doença crônica complexa, que pode ter diversas origens. É preciso procurar um especialistas para que se trate a causa, e não acreditar em dietas milagrosas baseadas em um único alimento", explica o médico.

O nutricionista Fábio Bicalho, um dos responsáveis por introduzir a goji berry na dieta brasileira, vai pelo mesmo caminho do nutrólogo: embora a fruta seja uma grande aliada no emagrecimento saudável, sozinha ela não faz muita coisa. "Existem propagandas enganosas", ele alerta. "Ela colabora com o emagrecimento porque ajuda na saciedade, no aporte de nutrientes, melhora o metabolismo, contribui para um bom funcionamento do intestino e controla a glicose. Além disso, como tem propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias, ajuda no combate a inflamações, como a celulite. Porém, consulte sempre o nutricionista", complementa Bicalho.

Mas, se a eficácia no emagrecimento causa lá certa dúvida nos especialistas, sua força nutricional é unânime. A fruta é rica em uma série de compostos e vitaminas que, aliadas a uma alimentação saudável e balanceada, tem tudo para aumentar a qualidade de vida de quem a consome e até para prevenir doenças graves, como o câncer e a diabetes. "A goji berry é rica em flavonoides antioxidantes, que ajudam a combater o envelhecimento. O antioxidante impede que o oxigênio danifique o DNA da célula. Os polissacarídeos também ajudam a reduzir o mau colesterol e a regular a glicemia. E os aminoácidos colaboram para o fortalecimento dos músculos, melhoram o humor e estimulam a imunidade", enumera Dmitri Homar.

De acordo com o médico, pesquisas publicadas recentemente em revistas especializadas já sugeriram que o uso da fruta por um período maior que oito semanas pode auxiliar no combate às doenças cardiovasculares, regulando a pressão sanguínea, diminuindo o colesterol ruim e aumentando o bom. "Ela é uma ótima aliada da dieta, uma coadjuvante. Não quer dizer que o paciente não vai ter problemas se passar a consumir a goji berry, mas ela ajuda na prevenção", complementa o médico.

No Brasil, ainda não é possível encontrar a fruta fresca na seção hortifrúti do supermercado. Quem quiser se entregar às promessas da goji berry vai ter que se contentar com a sua versão desidratada ou com o extrato em cápsulas, encontrado em algumas farmácias e lojas de produtos naturais. O preço pode desanimar: um pacote com 150g da fruta seca custa cerca de R$ 50, mas, segundo os especialistas, é a melhor forma de se aproveitar os nutrientes da fruta. "A desidratada apresenta mais fibras e propriedades do fruto", justifica o nutricionista Fábio Bicalho. "No caso das cápsulas, é melhor consultar um nutricionista para que ele prescreva a quantidade. Já quanto à quantidade de fruta seca, o recomendado é uma colher de sopa por dia ou cerca de 30g."

Poderes (quase) milagrosos
Contra inflamações
A goji berry é rica em substâncias anti-inflamatórias. Por isso, segundo especialistas, ajudaria no tratamento e na prevenção de algumas doenças inflamatórias, como a artrite, e na manutenção do corpão: como as celulites são um tipo de inflamação, o consumo da goji seria bom também para evitar novos buraquinhos na pele.

No sistema imunológico
Uma série de nutrientes ajuda a explicar por que a fruta seria tão boa na modulação do sistema imunológico. Nutricionistas e nutrólogos defendem que substâncias como vitamina E, betacaroteno e mesmo a vitamina C — encontrada na frutinha em quantidade até 50 vezes maior que na laranja — são estimulantes naturais da imunidade no organismo. O betacaroteno, por exemplo, acelera a produção de células de defesa, e a vitamina E, a de linfócitos B, de acordo com a nutricionista Thaís Souza. Além disso, ela é rica em zinco, necessário na diferenciação das células do sistema imunológico.

No emagrecimento
Não acredite se você ler em algum lugar que a goji tem o poder de, sozinha, eliminar alguns quilos. Ela é considerada uma fruta pouco calórica e que proporciona sensação de saciedade — o que, portanto, diminuiria o apetite de quem come. Logo, ela pode ser uma importante aliada se você está em busca de um novo corpo, mas provavelmente não será a protagonista da sua dieta.

Colesterol
Na extensa lista de nutrientes positivos para a saúde que as goji berries carregam, estão os beta-sitoesteróis, substâncias que, além de estarem relacionadas à prevenção de câncer — elas diminuem as células em crescimento exagerado e estimulam a apoptose de células cancerígenas, uma espécie de "suicídio" programadas das células —, diminuem em até 40% a absorção de colesterol ruim pelo organismo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade