Publicidade

Estado de Minas CAPA

Eu sonho, tu sonhas...

Cada vez mais, a ciência entra no mundo onírico para tentar entender como os pensamentos que surgem durante o sono estão relacionados ao funcionamento físico do cérebro. Terapeutas não dispensam essas mensagens para ajudar os pacientes a resolverem traumas


postado em 07/09/2014 08:00 / atualizado em 05/09/2014 17:56

(foto: Fernando Lopes/CB/D.A.Press)
(foto: Fernando Lopes/CB/D.A.Press)

Falar de sonhos é entrar em um mundo impalpável. É tentar compreender um enredo cujo significado só faz sentido para o sonhador. Afinal, ele é personagem principal da história. Entrar na realidade aparentemente fictícia dos sonhos é correr o risco de se perder no caminho da superstição, dos mitos e das falsas interpretações. É visitar um local que só existe no cérebro de quem sonha e cuja existência é tão efêmera que, muitas vezes, nem o próprio criador lembra-se da criação onírica.

Cada vez mais, porém, deixa-se de lado o misticismo e acredita-se que os sonhos tenham papel importante na cura do corpo e da alma. Pesquisadores e cientistas se debruçam sobre os roteiros aparentemente sem sentido que aparecem durante a noite para entender o que se passa dentro dos indivíduos. Em Natal, por exemplo, o Instituto do Cérebro dedica-se a pesquisas para desvendar como os sonhos estão relacionados ao funcionamento físico do cérebro, inclusive como os relatos do que se pensou enquanto dormia podem confirmar diagnósticos de transtornos bipolares ou de esquizofrenia, por exemplo.

Terapeutas aprimoram cada vez mais as técnicas de análise dos sonhos para ajudar seus pacientes a resolverem traumas e conflitos internos. O médico Victor Dias, fundador e coordenador da Escola Paulista de Psicodrama, acaba de publicar um livro sobre o tema. Em Sonhos e símbolos na análise psicodramática, propõe dedicar-se ao material codificado que os sonhos apresentam para encontrar respostas para dramas pessoais.

O que não se nega é que o sonhar, desde a Antiguidade, desperta curiosidade e, quando acordados, há muitos séculos, os homens tentam atribuir a essa ação uma função. Os reis tinham interpretadores de sonhos. Oráculos capazes de desvendar as imagens que vinham à cabeça dos poderosos e tentar entender que mensagens elas traziam. As crianças da tribo Senoi, na Malásia, por exemplo, sempre tiveram o costume de relatar seus sonhos para os pais. A partir do que contavam, recebiam os conselhos dos mais velhos.

No século 2, Artemidoro de Daldis (veja quadro) ficou conhecido por ser um adivinho romano que tinha o dom de avaliar os avisos dados pelos sonhos. Em 1900, o psicanalista Sigmund Freud, ao lançar o livro A interpretação dos sonhos, declara oficialmente o material onírico como uma ferramenta de análise do subconsciente. Para ele, os sonhos não passavam de desejos reprimidos. Assim, o que não se podia fazer na vida real era realizado, sem culpas, pelo cérebro enquanto o corpo dormia. Em seguida, seu discípulo Carl Gustav Jung apresentou uma proposta menos limitada do sonhar. "Ele amplia essa visão e defende que os sonhos também têm uma função elucidatória, que fala o que está acontecendo na dinâmica psíquica e propõe soluções", explica João Rafael Torres, psicoterapeuta e analista junguiano.

A partir deles, o mundo onírico se abriu. Atualmente, muitos são os terapeutas que não dispensam as mensagens sonhadas para entender a realidade vivida. O especialista em análise psicodramática Victor Dias compartilha a tese de que os sonhos são mensagens que o psiquismo manda para si mesmo. Na prática, funciona assim: algumas experiências e pensamentos não condizem com seu estilo de vida, valores e crenças. Assim, o cérebro mandaria todas essas informações para o que ele chama de zona de exclusão. Como defendia Jung, porém, a psique não se conforma com episódios mal resolvidos e encontra uma válvula de escape. E, durante os sonhos, avisa para a pessoa que ela precisa resolver certos incômodos aparentemente abafados, batizados pela psicologia de neuroses.

Por se tratar de um material negado, o recado não aparece escancarado. A solução é mandar mensagens simbólicas e, por tal razão, os sonhos, aparentemente, não têm sentido algum. "O psiquismo sai do impasse quando envia uma mensagem excluída para o eu consciente e, ao mesmo tempo, preserva o material negado que a pessoa não está em condição de aceitar", explica o terapeuta.

Apesar da resistência em se conscientizar de certos recalques, ignorar um recado do inconsciente não seria uma boa ideia. São, supostamente, os conteúdos negados os responsáveis por tantos transtornos físicos e emocionais. Aí surge o desafio: se é uma mensagem cifrada, incompreensível inclusive para o paciente, como fazer para interpretá-la? Victor trabalha com a análise psicodramática dos sonhos. A proposta não é tentar fazer adivinhações e muito menos incorrer no erro de atribuir significados clichês aos elementos da história sonhada. A ideia é decodificar a mensagem aos poucos.

Para esclarecer, o terapeuta dá um exemplo. Uma mulher sonha que está sendo perseguida por um grande macaco peludo. Ela se sente amedrontada quando pensa na cena. O importante, para Victor, não é entender por que ela sonhou com um macaco, mas sim desvendar o porquê de ela ter produzido um contexto de perseguição. Assim, nos encontros com o terapeuta, o paciente é convidado a contar quais as situações da vida em que se sentiu da mesma maneira, acuado, com a sensação de ser vítima de uma outra pessoa mais forte.

Esse estímulo, o de pensar em momentos reais nos quais as mesmas emoções vieram à tona, produziria novos sonhos, e, aos poucos, seria possível compreender a mensagem que o inconsciente manda em doses homeopáticas por puro medo de a consciência rejeitá-la. "Na decodificação dos sonhos, você vai interpretar o mínimo possível e esperar os outros sonhos, em que os elementos irão se repetir até ir clareando", explica o médico. "Não adianta perguntar o que significa o sonho. Se o paciente soubesse, o material não viria codificado. Por isso, atentamos para a sequência dos sonhos e a evolução da simbologia até ser integrada pelo eu consciente ou sofrer uma reparação dentro dos próprios sonhos", afirma Victor.

No consultório do terapeuta Gisnaldo Amorim, quem não sonha não precisa nem entrar. Ali, nada é escolhido por acaso. Nem as janelas cobertas de tinta vermelha, com desenhos que sugerem uma casa, tampouco as mandalas coloridas espalhadas pelo corredor, que liga a sala de espera à sala de atendimento. Para o psicanalista, todas as imagens e cores inspiram os sonhos, assim como ajudam a interpretá-los. Para ajudar os pacientes, não abre mão de conhecer os elementos que invadem a mente deles durante o sono. Ele garante que, mais que do que se prender a conceitos estereotipados para compreender os símbolos oníricos, é preciso ter criatividade para ler a mensagem que o sonho quer mandar. Nesse caminho, é preciso atentar-se a todos os detalhes que aparecem na fantasia: as pessoas, os tons das roupas que elas usam, os objetos de cena, o local. Tudo pode dar um sinal do seu eu mais profundo e desconhecido.

"A primeira proposta ao tentar entender os sonhos é conhecer a si mesmo. O entendimento de nós mesmos permite transformar energias, inclusive quadros de doenças graves", explica o profissional. "O segundo objetivo é melhorar nossas funções psicológicas, entre as quais se incluem pensamentos, sentimentos, intuições e sensações do corpo", acrescenta Gisnaldo, que há quatro anos ministra o curso Alquimia dos sonhos, cuja proposta é ensinar os sonhadores a desvendarem o simbolismo dos comunicados oníricos.

Qualidade do sono, aliás, é um dos sinais que a terapeuta Wânia Alvarenga avalia para curar o corpo e a mente dos pacientes. No que considera o sono ideal — revigorante para os órgãos e para o equilíbrio das emoções —, o conteúdo dos sonhos é um quesito bem importante. Para deixar o sono mais saudável, Wânia diz que tudo pode interferir, a começar pelo colchão e pelo travesseiro que a pessoa escolhe, até mesmo os sonhos que ela terá. "Sustento que nós sonhamos para liberar as emoções. Quando o cérebro dorme, ele faz uma reparação física, além de liberar o estresse diário e as emoções", define.

A terapeuta compartilha a crença de que os sonhos podem ser indícios de problemas físicos, uma forma de, sabiamente, o corpo encontrar caminhos para a autocura. Para exemplificar, Wânia cita o exemplo de uma criança que foi levada ao consultório dela pelos pais. O pequeno fazia xixi na cama enquanto dormia e a tentativa dos adultos era entender o porquê. A razão aparecia na forma de assustadores lobos. Explica-se: é que, muitas noites, o menino sonhava com os ferozes animais e de tanto medo não controlava a bexiga. A criança foi tratada pela sonhoterapia, técnica de melhorar o sono, para liberar a memória da emoção do pânico noturno. Se o menino não temesse mais os lobos quando eles aparecessem no sonho, não acordaria mais molhado. E deu certo. Wânia garante que provavelmente o menino não será mais atormentado pelas feras enquanto dorme.

"Sonho é uma fonte de compreensão de traumas. Também sugere distúrbios do sono e distúrbios emocionais. Uma pessoa que tem insônia, por exemplo, apresenta o sono leve e pode ter sonhos de ansiedade, de preocupação com o dia seguinte, de medo. Já os pesadelos podem ter a ver com síndrome do pânico, por exemplo", explica a especialista. Por essa lógica, pessoas com problemas respiratórios não raro sonhariam com cenas dentro da água ou situações em que se sentiriam sufocadas.

Para tentar harmonizar as emoções e o corpo, Wânia usa um conjunto de técnicas, entre elas o teste muscular, em que a terapeuta estabelece conexão com o self do paciente por meio de respostas apresentadas pela tensão muscular do braço dele. A descrição parece complicada para o leigo, mas seria algo como se o corpo literalmente falasse, com movimentos leves do braço, e esclarecesse o que anda em desarmonia a ponto de provocar noites de sono ruins e sonhos piores ainda. "O corpo tem a sabedoria inata da autocura e algumas técnicas permitem reparar aspectos que estão em disfunção", explica a psicóloga. "No início, a gente tratava a simbologia dos sonhos como clichê. Hoje, minha visão é mais holística. Você deixa que a inteligência da pessoa faça referência aos conflitos dela usando os símbolos. O cérebro sonha aquilo que o coração sente", acrescenta.

Fique atento
Faça um sonhário, um registro diário dos sonhos, que, por si só, já é um exercício terapêutico. Só de anotar as imagens, as ações, as sensações e as emoções experimentadas no mundo onírico, começamos a organizar os movimentos psíquicos.
Compre um caderno exclusivo para essa finalidade e anote palavras chaves, sensações, desfechos dos quais se lembra.
Todos os elementos presentes num sonho (dos personagens aos objetos) não devem ter interpretação literal. Tudo faz parte de si e fala de você.
Ao terminar o relato, tente fazer um exercício livre de associações entre aquilo que viu e as relações que se estabelecem com a sua vida.
Não tente encerrar o conteúdo de um sonho atribuindo um significado único. Quanto mais múltiplo for o sentido, mais valia terá. Se achar interessante, escreva o resultado da amplificação abaixo do sonho.
Em geral, todos os sonhos da mesma noite seguem uma temática comum e, depois de serem analisados individualmente, deverão ser observados como um conjunto conciso.
Se não lembrar do que sonhou, não se aflija. Quanto mais você se esforçar, mais fácil vai ficar recordar dos sonhos com o tempo.

Fonte: Informações do site www.selfterapias.com.br

Autoconhecimento e premonição

(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
"Sou neta de índio e de cigano." Assim se apresenta Ana Lúcia Fernandes, 44 anos. A referência familiar é para dizer que ela traz na alma algo de místico, de vidente. De sonhadora também. Desde a adolescência, a funcionária pública recebe recados, sabe-se se lá de quem, enquanto dorme. Sonhar para ela virou uma via de comunicação com o futuro e com o próprio inconsciente.

Do que considera seu primeiro sonho premonitório ela se lembra bem. Tinha 17 anos, quando se viu, em seus pensamentos oníricos, carregando uma criança nos braços, enquanto tentava caminhar por um lamaçal. Ao fim do trajeto, deparava-se com uma água límpida. Era o final feliz de um percurso aparentemente difícil. Intrigada com o sonho, meses depois descobriu quem era aquele menino e que árduo trajeto seria aquele. Ana Lúcia estava grávida. Para ela, o sinal que recebeu enquanto dormia era anúncio da inesperada maternidade.

Aos 19 anos, ela também sonhou que encontraria seu marido. O amor da vida logo apareceu. Três anos atrás, quando decidiu estudar para passar em concurso da Câmara, surgiu um anjo enquanto dormia, que logo profetizou: "A espera acabou". Dias depois, saiu o resultado de sua aprovação na prova.

E assim ela segue sonhando. Quando Ana Lúcia fala dos sonhos, empolga-se. Gosta de contá-los para amigos, conhecidos e terapeutas. Descreve detalhes. Histórias longas, com começo, meio e fim. "São verdadeiras epopeias", brinca. Tão rico o material onírico, que virou livro. A amiga Márcia Sabino se inspirou em um dos sonhos de Ana para escrever Audaces Fortuna Juvate — a sorte protege os audazes.

Mas ela própria tem seu livro de sonhos. Um sonhário, como chama. Anota todas as lembranças da noite ali. E interpreta a própria história. Sozinha ou com ajuda do psicanalista. Em uma dessas interpretações das mensagens simbólicas que recebe de si mesma, descobriu que precisava levar a vida com mais suavidade e feminilidade. "Eu sempre sonhava com uma cangaceira, que me dizia para ser muito forte", conta. "Venho de uma família de três homens, trabalhava com gestão financeira, em um meio muito masculino. Descobri, por meio desse sonho, que me obrigava a ser dura, forte, como a cangaceira dizia."

Feita essa análise, resolveu aliviar a dureza do braço com que conduzia a vida. Até o cabelo, antes curtinho, mais masculino, deixou crescer. O simbolismo do sonho manifestou-se igualmente de forma simbólica, em uma mudança na própria imagem de Ana Lúcia. "O sonho é uma conversa com você mesma", diz ela, que aprendeu há tempos a se ouvir durante a noite.

Aprendizado constante

(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
(foto: Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
No começo, a estudante Cibele Pereira, 25 anos, temia os próprios sonhos. Achava que, se ousasse interpretá-los, eles teriam o atrevimento de se tornarem realidade. Quando um conhecido aparecia nos pensamentos noturnos, ela logo achava que tinha alguma mensagem a dar ou a receber daquela pessoa. Aos poucos, porém, descobriu que as figuras do sonho, fossem protagonistas ou figurantes, sempre querem dizer algo de si próprios. "Vejo o sonho como um autoconhecimento, o que vou sonhar são coisas só minhas. Sou eu falando comigo mesma. A gente tenta dar ouvido para si mesma, como se fôssemos duas pessoas", explica. Agora, quando sonha com alguém, o exercício é avaliar o que aquela pessoa significou em sua vida. É um bom começo para decifrar por que um personagem específico apareceu nos sonhos dela.

Nesse papo tão particular, Cibele deixou a superstição de lado e passou a procurar indícios de sua própria personalidade em conteúdos tão impalpáveis. Na terapia, entendeu que aqueles sonhos insistentes, em que sempre aparecia discutindo com uma pessoa mais velha, dizia muito sobre seu comportamento na rotina desperta. Cibele tinha problemas com autoridade. Considerava que os de mais idade são figuras inquestionáveis e, portanto, alguém cujas opiniões e posicionamentos não se poderiam contrariar.

Pelos sonhos, entendeu que podia se posicionar, ainda que o interlocutor tivesse mais idade. "Isso fez melhorar muito meu relacionamento com minha mãe, por exemplo", considera. Pela mesma via, compreendeu que precisava expor seus sentimentos com mais naturalidade. Quem reforçou esse comportamento que as amigas próximas já percebiam foi o inconsciente. Nos sonhos, Cibele, muitas vezes, aparecia segurando o choro. Igualzinho como faz com suas emoções.

"Por isso, procuro anotar os sonhos e depois os analiso. Eles fazem com que eu pense sobre certos assuntos e tiro uma conclusão aqui, outra ali. Alguns sonhos hoje apresentam temas com menos força, o que significa que já superei algumas questões", comenta. "Mas também não fico paranoica de que todo sonho diz alguma coisa", pondera a moça.

Leia a íntegra da matéria na edição impressa




Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade