Publicidade

Estado de Minas REPORTAGEM DE CAPA

É possível ser feliz sozinho

Não se casar e estar bem assim. Essa é uma realidade comum hoje, apesar da pressão social ainda existente. A convite da Revista, mulheres contam suas experiências, fruto de opção ou da circunstância de vida


postado em 15/02/2015 08:00 / atualizado em 13/02/2015 18:38

 

Maria José de Oliveira, Geralda Maria de Jesus e Juvelina de Oliveira: elas garantem que não sobra tempo para a solidão(foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press)
Maria José de Oliveira, Geralda Maria de Jesus e Juvelina de Oliveira: elas garantem que não sobra tempo para a solidão (foto: Ronaldo de Oliveira/CB/D.A Press)
 

 

 

Tom Jobim que nos desculpe, mas a felicidade não precisa de par. No começo de janeiro, a escocesa Jessie Gallan comemorou seu 109º aniversário. Em entrevista à imprensa local, deu a dica da longevidade: ficar longe de homens (e tomar mingau quente todas as manhãs). Segundo a senhora, homens são sinônimo de problema e não valem a pena.

Bem resolvidas, muitas escolhem abrir mão do casamento e viver sozinhas, o que não significa que sejam solitárias. Os amigos se tornam família e companhia constante. Algumas escolhem ter filhos por conta própria. Outras se casaram com o trabalho, e são felizes e realizadas assim. Para quem sabe o que quer, o espaço vazio é, na verdade, um alívio.

"No Brasil, não encontramos um número muito significativo de mulheres com mais de 60 anos que não se casaram", explica o professor Vicente Paulo Alves, coordenador do programa de pós-graduação em gerontologia da Universidade Católica de Brasília. "A impressão que eu tenho é que havia uma certa pressão para o casamento, mas algumas pessoas tomaram a decisão particular de não subir ao altar naquele momento e as circunstâncias não permitiram que elas se casassem no futuro."

Segundo Vicente, o interessante é que as mulheres que fizeram essa escolha costumam ser mais felizes na velhice em comparação às que se casaram por pressão da sociedade. "É comum ouvir o relato de viúvas que se sentiram muito mais livres após a morte do marido. Acredito que casamento não é para todo mundo e pode acabar se tornando uma prisão para quem não tem o perfil", avalia.

O professor conta que as pessoas que não se casaram costumam ter mais facilidade para fazer amigos. A vida social é de extrema importância na terceira idade — são os familiares, os vizinhos e os amigos que garantem uma rede de apoio e afastam os problemas de depressão. Idosas que ficaram casadas por muito tempo costumam ter dificuldade para expandir os contatos e acabam limitadas ao núcleo familiar.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade