Publicidade

Correio Braziliense NEURÔNIOS EM DIA

Quando o corpo para, o cérebro não fica indiferente

Pesquisadores mostram como o sedentarismo pode afetar o fluxo sanguíneo cerebral


postado em 21/09/2016 12:32 / atualizado em 21/09/2016 12:37

Por Ricardo Teixeira*
 
(foto: Cristiano Gomes/CB/D.A Press)
(foto: Cristiano Gomes/CB/D.A Press)
Pesquisadores da Universidade Maryland nos EUA mostraram que dez dias de sedentarismo em atletas master acaba levando a uma significativa redução do fluxo sanguíneo cerebral. O estudo foi recém-publicado pelo periódico Frontiers in Aging Neuroscience.

Sabemos que perdemos um pouco de nossa capacidade aeróbica quando interrompemos nossa atividade física por algumas semanas, mas os pesquisadores de Maryland demonstraram que o cérebro também não gosta dessa paradinha.

Após dez dias de suspensão da rotina de exercícios físicos, eles demonstraram, através da ressonância magnética,uma redução do fluxo sanguíneo cerebral em áreas estratégicas da cognição, como os hipocampos. Vale lembrar que o hipocampo é uma das estruturas cerebrais mais nobres para a memória / aprendizado e também é uma das regiões mais precocemente afetada na Doença de Alzheimer. Além disso, é bem reconhecido que a atividade física entre roedores promove a criação de novos neurônios e vasos sanguíneos e, entre humanos, retarda o aparecimento da Doença de Alzheimer .

No presente estudo, a média de idade dos participantes foi de 61 anos e todos eram atletas há pelo menos 15 anos com um ritmo de treino de alta intensidade de no mínimo 4 horas por semana. Todos eles eram corredores de longa distância e tinham participado de alguma competição nos últimos meses. Corriam uma média de 10 km por dia.
 
*Dr. Ricardo Teixeira é neurologista do Instituto do Cérebro de Brasília e professor de pós-graduação em divulgação científica e cultural na Unicamp. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade