Publicidade

Correio Braziliense NEURÔNIOS EM DIA

Parceria estável do casamento traz benefícios à saúde física e mental


postado em 28/02/2018 10:37 / atualizado em 28/02/2018 10:45

Nas últimas décadas, houve um declínio evidente na proporção de pessoas casadas. Já tivemos cifras em torno de 70%, na década de 1970, e chegamos em 2014, no Brasil, com 38,6% das pessoas acima de 15 anos casadas e 49,2% solteiras. A região Norte tem a maior proporção de solteiros (60,5%), seguida pelas regiões Nordeste (56,7%), Centro-Oeste (48,6%), Sudeste (44,3%) e a Sul (44,2%). Quando falamos de união conjugal, independentemente de papel no cartório, a média nacional é de 56.7%.

Muitos enxergam o casamento como uma decisão que concorrerá com a liberdade, e isso ocorre especialmente entre os homens jovens. Entretanto, poucos têm consciência dos benefícios que uma parceria estável traz ao indivíduo. Pesquisas revelam que um projeto de vida a dois tem repercussões positivas em várias dimensões da vida e a seguir elenco alguns números entre os homens casados:
 
  • Melhores salários e mais estabilidade no emprego;
  • Vida sexual mais satisfatória. Um estudo americano mostrou que 51% dos homens casados dizem estar extremamente satisfeitos com suas vidas sexuais, comparados a 36% no caso dos solteiros;
  • Melhor saúde física e mental. Nos EUA, homens casados vivem em média 10 anos a mais que os solteiros e, quando se fala em felicidade, 43% reportam que estão muito felizes, enquanto apenas 24% dos que moram juntos dizem o mesmo;
  • Os casados têm menos exposição a fatores de risco à saúde (ex: álcool e cigarro) e uma melhor saúde. Sobrevivem por mais tempo quando têm um diagnóstico de câncer. Doença de Alzheimer é menos comum entre eles e ainda são mais independentes do ponto de vista físico quando envelhecem;
Quase metade dos casamentos acaba em divórcio, e na maioria das vezes, a mulher é quem toma a decisão. No Brasil, os casamentos duram em média 15 anos e a maior taxa de divórcio é a do Distrito Federal (DF). A menor, três vezes menor que no DF, é a do Amapá.
 
O psicólogo John Gottmann, professor emérito da Universidade de Washington, estudou a fundo os fatores que promovem a estabilidade de um casal e dá quatro dicas quentíssimas para o sucesso do casamento:
  • Seja agradável sempre que puder.
  • Pense no que o outro precisa mesmo no meio de uma disputa.
  • Preste atenção no outro.
  • Enxergue o outro como um copo meio cheio e não como meio vazio.

*Dr. Ricardo Teixeira é neurologista e diretor Clínico do Instituto do Cérebro de Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade