Publicidade

Correio Braziliense SAÚDE

Saiba o que há de mais novo em relação ao pré-natal

Exames invasivos e não invasivos podem tirar dúvidas sobre possíveis anomalias ou malformações


postado em 04/03/2018 07:00 / atualizado em 05/03/2018 14:04

O pré-natal tem episódios que costumam deixar os pais ansiosos. Alguns deles são mais aguardados por seu valor sentimental: a descoberta do sexo — seja por meio do sangue, feito nas primeiras semanas, seja por ecografia, com a gestação um pouco mais avançada —, as primeiras batidas do coração, o primeiro ultrassom. Outros momentos são esperados por sua necessidade em saber a quantas anda a saúde do bebê. Um dos mais importantes é o ultrassom morfológico, um exame feito entre a 11ª e a 14ª semana de gestação.

É nele que é feita a translucência nucal, por meio da qual é possível identificar a possibilidade de anomalias cromossômicas, entre elas a síndrome de Down e malformações cardíacas. Mas ele não dá diagnóstico. “É apenas mais um marcador biofísico do ultrassom morfológico. Isoladamente, não indica nenhuma conduta. Deve ser avaliado com outros marcadores biofísicos do feto, marcadores bioquímicos e idade materna. Se esses dados em conjunto indicarem um risco aumentado para cromossomopatias, podem ser indicados testes para o diagnóstico pré-natal”, explica Michele Migliavacca, médica geneticista do Laboratório Exame.
 
Para a especialista, diagnóstico durante a gestação permite que o casal se prepare emocionalmente para receber uma criança com necessidades especiais, além de garantir que o parto seja realizado em maternidade que tenha unidade de tratamento intensivo neonatal e equipe especializada.
 
Se não é identificada quantidade maior de líquido na nuca do feto, o pré-natal pode seguir a rotina. Caso contrário, devem ser feitos mais exames. Até porque há falsos positivos, quando, apesar de a medida de volume ser maior do que o normal, não há nenhuma alteração cromossômica no bebê. Por isso mesmo, só a translucência nucal não basta. Há exames, invasivos ou não, e cabe à paciente, com o médico, decidir por um ou por outro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade