Publicidade

Correio Braziliense ETIQUETA

Saiba como não cometer gafes nos ambientes virtuais

Especialista em boas maneiras, com 18 livros publicados, Cláudia Matarazzo dá dicas de como se comportar na rede


postado em 18/03/2018 07:00 / atualizado em 16/03/2018 17:00

A comunicação virtual tornou-se uma necessidade. Só que muita gente não sabe como lidar com esse universo repleto de ferramentas e opções. Para não cometer gafes ao usar aplicativos, e-mail e redes sociais, a jornalista Cláudia Matarazzo, especialista em etiqueta e comportamento, dá dicas de como não ultrapassar o limite do razoável nesse universo delicado. 

(foto: Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)
Matarazzo sabe o que diz. Realiza palestras em todo o país e é autora de 18 livros de comportamento, estilo e inclusão social. O lema dela para os desavisados do mundo virtual é: pensem antes de teclar. “Não adianta ser rápido em usar as redes virtuais e se atropelar por conta da ansiedade”, pondera. “Isso pode afetar sua imagem como profissional e mesmo como pessoa. Assim como dizer obrigada, por favor e com licença, algumas regras básicas de bom uso da tecnologia têm sido esquecidas e devem sim ser respeitadas para melhorar o convívio diário.”

Seja discreto

“As pessoas precisam aprender que não é necessário postar todos os detalhes da vida, o tempo todo, nas redes sociais. Discrição é uma qualidade esquecida em tempos de superexposição e precisa ser resgatada.”

Não dê palpite sobre tudo

“As redes sociais amplificaram as ditas ‘conversas de bar’. Hoje, todo mundo acha que precisa comentar tudo, questionar tudo, palpitar sobre tudo. Evite conversas polêmicas demais, principalmente se há risco de ser mal interpretado. Guarde suas opiniões para você de vez em quando. Elas não são tão importantes assim.”

Evite selfies em excesso

“Postar uma foto bem-arrumado, saindo para uma festa, todo mundo gosta. E deve, claro! Mas publicar fotos suas todos os dias — ou até mais vezes por dia — dá a impressão de que você não se preocupa com outra coisa a não ser você mesmo. É um excesso.”

Não exponha detalhes íntimos

“Publicar assuntos muito pessoais, envolvendo filhos, relacionamento ou até questões biológicas sobre o próprio corpo não é visto com bons olhos por empregadores e empresas. Aqueles desabafos sentimentais podem gerar mais repercussão do que muita gente imagina. Preserve-se.”

Xingar o chefe anterior, nunca!

“Tem gente que aproveita a saída de um trabalho para expor todo o descontentamento profissional que carregou por anos. Evite fazer comentários pesados sobre ex-colegas ou chefes e expor a empresa em posts nas redes sociais. Isso tudo pode ser analisado pelo futuro empregador e não contará pontos a seu favor.”

Mais dicas

Smartphones no escritório

  • Se deixar o celular em sua mesa, o ideal é desligar. Se não consegue, use-o no vibra e, ao falar, tente moderar o tom de voz, pois há uma tendência a falar mais alto quando estamos ao celular.
  • Você também deve pedir licença e se retirar para atender o telefone — simples assim.
  • Evite conferir recados de voz ou texto em dispositivos pessoais durante uma reunião com a presença de seus superiores. Segure a onda e aguarde o final do encontro.
  • Ao falar com alguém pessoalmente, não espiche o olho para o seu celular para conferir recados ou mensagens.

Viva voz

  • Não use viva voz, a menos que você esteja em seu escritório ou em casa e sem outras pessoas, exceto as diretamente envolvidas no assunto em questão. E acredite: usar o viva voz com volume alto para ouvir recados de sua caixa postal é a definição da deselegância. Fora que irrita os outros.

Correio de voz

  • No trabalho, ao deixar recados gravados, informe seu nome, local de trabalho e número. E, bem sucintamente, diga por que você está chamando. Repita seu nome e diga adeus.

E-mails

  • Se tudo o que você tem a dizer em sua resposta de e-mail é “Obrigado!”, não precisa enviá-lo. Salvo se tiverem pedido para acusar recebimento.
  • E-mails também têm horário e não é frescura: os de trabalho devem ser enviados, de preferência, uma hora antes do início da jornada de trabalho e até duas horas depois que termina. Isso faz com que o fluxo diminua e, consequentemente, a ansiedade geral também.
  • Ainda evite ao máximo “gritar” usando letras de forma, fontes coloridas ou clip-art emotions. E não custa lembrar que é falta de educação anexar arquivos grandes e pesados sem avisar.

No telefone

  • Atenda corretamente: parece fácil, mas, com a invasão das mensagens de texto, muita gente desaprendeu a falar ao telefone. Assim, no trabalho, atenda falando antes o nome da empresa, o setor e, finalmente, o seu: indique seu nome e local de negócios: “Companhia tal, marketing, Isabel falando. Como posso ajudar?”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade