Publicidade

Correio Braziliense CASA

Ambientes são inspirados no design clássico, elegante e moderno de Brasília

Modernista na essência, Brasília inspira projetos arquitetônicos de moradias cheias de personalidade


postado em 22/04/2018 07:00 / atualizado em 20/04/2018 15:35

Aos 58 anos, Brasília continua inspirando o design e a arquitetura. É o que mostram os projetos atuais, modernos e, ao mesmo tempo, clássicos e elegantes. Os trabalhos com ar modernista resgatam a identidade brasiliense, seja por meio de móveis sessentistas, seja pelas linhas retas e cruas, pela arte típica da cidade e pelos característicos cobogós.

A Casa Clara, construída no Lago Sul, em 2016, pela dupla de arquitetos Eduardo Sáinz e Lilian Glayna Sáinz, é uma ode a Brasília. Conhecida e premiada internacionalmente, é descrita por Eduardo como um imóvel simples, com poucos elementos e materiais que remetem à brasilidade.

Paredes em concreto e painéis de cobogó misturados a mobiliários dos anos 1960, com peças de Zanine Caldas e Sergio Rodrigues, e a formas horizontais e simples fazem com que o espaço “grite” Brasília. “O projeto era de uma casa pequena, e nós sabíamos que seria mostrada ao mundo. Para isso, precisava ter muita personalidade e carregar elementos muito claros de Brasília, uma cidade de personalidade forte”, explica Eduardo.

O arquiteto boliviano mora na capital brasileira há oito anos e afirma que os que vivem aqui se acostumam com suas formas exóticas. “É uma cidade conhecida mundo afora e muito admirada, mas, para nós, já virou cotidiano.” O profissional afirma que a capital é sua casa e que se ofende quando a cidade modernista é criticada. “Brasília não é para todo mundo. Ela tem que ser compreendida, e não são todos que conseguem enxergar sua beleza modernista e pura”, declara-se.

O arquiteto Marcelo Marcolino, criado na cidade, ecoa o sentimento do estrangeiro radicado na capital. Para ele, Brasília, pensada e idealizada por grandes mestres da arquitetura e do urbanismo, é inspiradora a cada passo. “Movimentando-nos pela cidade, cruzamos com monumentos e esculturas que nos remetem ao modernismo, fase tão rica para a arquitetura”, afirma.

O profissional ressalta ainda o papel das escalas Monumental e Bucólica, que, para ele, trazem referência de como o indivíduo pode se adequar ao urbanismo de forma bem pensada e executada.

Criador do espaço Com Açúcar, com afeto, em parceria com Desirée Nassaralla, Marcelo afirma que o cobogó foi usado no projeto a partir do princípio do design funcionalista do modernismo no qual a forma segue a função. “Surgiu a necessidade de divisão entre dois ambientes, mas sem perder a integração. Precisávamos de permeabilidade visual, ventilação e luminosidade natural. O cobogó se emprega muito bem nessas funções”, completa.

Confira os projetos de Marcelo e Eduardo, além de outros ambientes inspirados na tão jovem e clássica Brasília.
 
A parede feita em cobogó é uma das características mais marcantes da Casa Clara e remete imediatamente a Brasília. Outro elemento muito brasiliense da área externa é a fundação suspensa do imóvel, que remete aos clássicos pilotis. (foto: Edgard Cesar/Divulgação)
A parede feita em cobogó é uma das características mais marcantes da Casa Clara e remete imediatamente a Brasília. Outro elemento muito brasiliense da área externa é a fundação suspensa do imóvel, que remete aos clássicos pilotis. (foto: Edgard Cesar/Divulgação)
 
Na área interna da Casa Clara, o mobiliário elegante ganha um ar mais frugal quando combinado às paredes de concreto.(foto: Edgard Cesar/Divulgação)
Na área interna da Casa Clara, o mobiliário elegante ganha um ar mais frugal quando combinado às paredes de concreto. (foto: Edgard Cesar/Divulgação)
O Loft Urbano, do Studio Valéria Gontijo, traz o retrato de uma Brasília mais tradicional, remetendo aos primeiros anos da capital, com elementos em madeira e cores mais sóbrias.(foto: Jomar Bragança/Divulgação)
O Loft Urbano, do Studio Valéria Gontijo, traz o retrato de uma Brasília mais tradicional, remetendo aos primeiros anos da capital, com elementos em madeira e cores mais sóbrias. (foto: Jomar Bragança/Divulgação)
No projeto da Com Açúcar, com afeto, o cobogó é usado seguindo o princípio modernista, no qual a forma deve sempre ter uma função. Nesse ambiente, promove uma divisão sem remover a integração.(foto: Jomar Bragança/Divulgação)
No projeto da Com Açúcar, com afeto, o cobogó é usado seguindo o princípio modernista, no qual a forma deve sempre ter uma função. Nesse ambiente, promove uma divisão sem remover a integração. (foto: Jomar Bragança/Divulgação)
O apartamento criado pelos arquitetos Gustavo Assunção, Sergio Peres e Laura Oliveira, do escritório Simmetria Arquitetura, é totalmente brasiliense. Misturando linhas retas e sinuosas ao concreto, traz a identidade mais crua da cidade. Com a arte colorida de Athos Bulcão, o espaço ganha o aspecto vibrante e vivo de Brasília. (foto: Joana França/Divulgação)
O apartamento criado pelos arquitetos Gustavo Assunção, Sergio Peres e Laura Oliveira, do escritório Simmetria Arquitetura, é totalmente brasiliense. Misturando linhas retas e sinuosas ao concreto, traz a identidade mais crua da cidade. Com a arte colorida de Athos Bulcão, o espaço ganha o aspecto vibrante e vivo de Brasília. (foto: Joana França/Divulgação)
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade