Publicidade

Correio Braziliense SAÚDE

Gestação planejada evita comprometer a saúde da mãe e do bebê

No Brasil, apenas 45% das gestações são programadas. Especialistas dizem, porém, que cuidar da saúde pré-concepcional é muito importante para mãe e bebê


postado em 13/05/2018 07:00 / atualizado em 15/05/2018 15:45

Cidade do México — É complicado falar em cuidados antes da gestação em um país no qual, segundo dados do Ministério da Saúde, apenas 45% dos bebês são planejados. Mesmo assim, a ideia da saúde pré-concepcional vem crescendo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) conceitua esse acompanhamento como intervenções biomédicas, comportamentais e sociais de saúde no período antes da concepção, cujo objetivo é reduzir comportamentos e fatores que contribuem para maus resultados de saúde materna e infantil.

Segundo Diana Ramos, ginecologista, obstetra e diretora do Departamento de Saúde Pública de Los Angeles na área de saúde reprodutiva, os principais componentes desse cuidado são resumidos em ABC. A para ácido fólico; B para behaviors (em português, comportamento) e C para contracepção, caso a mulher não queira ou não tenha condições de ter filho.  

“Precisamos diminuir os comportamentos e os fatores que podem contribuir para um resultado pobre para a saúde da mãe e do bebê e podemos melhorar a saúde de ambos a curto e longo prazos. Isso é importante, porque as chances de morte perinatal são 50% maior em bebês de adolescentes”, exemplifica a médica.
 

*A repórter viajou a convite da empresa farmacêutica Bayer. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade