Publicidade

Correio Braziliense SAÚDE

No inverno, a atenção deve ser redobrada quando se fala da saúde

Respiração e pele são as áreas mais prejudicadas com a baixa umidade do ar, mas algumas orientações podem proteger mais do que o casaco dos dias frios


postado em 01/07/2018 07:00

Sabe aquele prazeroso banho quente no inverno? E quem nunca saiu fechando todas as janelas para se proteger dos ventos frios? São atitudes simples que tomamos para nos aquecermos nessa estação, mas que podem não ser nada saudáveis. Isso porque essa estação exige cuidados especiais para nossa saúde, principalmente para a pele e o campo respiratório, que ficam mais sensíveis nesse tempo com as infecções que amam esse clima.
 
A seca que acompanha o mês de junho traz males que começam no nosso maior órgão do corpo, como exemplifica o Dr. Luciano Ferreira Morgado, especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia: “A pele fica propensa ao surgimento de áreas de irritação, chamadas de eczema. Também são frequentes a dermatite atópica - mais comum em crianças - e o desenvolvimento de infeções bacterianas, como a celulite, desencadeadas pelo ressecamento”, detalha.
Mas com pequenas ações podemos nos prevenir e nos manter bem cuidados, explica Luciano. “Devemos evitar esses banhos muito quentes e demorados, o uso de buchas e de sabonetes abrasivos - que causam desgaste por raspagem -, pois ressecam a pele. Também é bom usar sabonetes ou géis de banho com ativos hidratantes, além de ingerir bastante água, sucos e alimentos com ativos ricos em antioxidantes, como as vitaminas C e E.”
 
Essas precauções devem ser tomadas principalmente na nossa capital, por conta do conhecido tempo seco que não dá folga. O Dr. Marcelo Rabahi, professor de pneumologia da faculdade de medicina da UFG, detalha: “Em junho e julho, em Brasília, a baixa umidade e o ar denso favorecem a maior concentração de poluentes, principalmente em grandes cidades, como é o caso do DF. Isso faz com que haja maior agressão das vias respiratórias, o que favorece a infecção por bactérias e vírus”, alerta. 
 
Marcelo também orienta como aproveitar o clima frio longe desses problemas, se agasalhando nos dias de baixas temperaturas e recorrendo a umidificadores, por exemplo, nas horas da seca. E conclui: “Caso a pessoa apresente sintomas como tosse com secreção, cansaço e até falta de ar, é importante procurar orientação médica. No caso de gripes e resfriados, é comum que os pacientes sintam dor de garganta, o que pode indicar uma infecção. O recomendado é não recorrer à automedicação, principalmente de antibióticos, e procurar um especialista”, finaliza.

Cuidados com a limpeza

Deixar a casa limpa e livre do mofo pode ser uma excelente proteção contra as doenças respiratórias e alérgicas no inverno. Por isso, Renato Ticoulat, o diretor executivo nacional da Jan-Pro, rede especializada em limpeza comercial, dá algumas dicas de como se prevenir dos incômodos:

Aspirador de pó X vassoura
Quando for higienizar o chão dos ambientes internos, prefira usar o aspirador de pó a vassoura, assim evita-se que a poeira suba e se espalhe pelo local. Caso não tenha aspirador, utilize um pano úmido e um rodo para retirar o excesso da sujeira. Varrer não deve ser uma opção.

Móveis
Nunca passe um pano seco em um móvel empoeirado. O ideal é iniciar a limpeza com um pano úmido, retirando todo o excesso de sujeira. Após esse processo, aplique com uma flanela limpa e seca e um produto específico para o material do móvel.

Tapetes
Sempre comece a limpeza aspirando o tapete, o processo vai ajudar a remover as sujeiras mais superficiais e facilitará o seu trabalho. Utilize o bucal mais fino do aspirador de pó para limpar as partes mais difíceis. Após a aspiração, misture detergente neutro com água morna e agite até formar espuma. Aplique a fórmula na tapeçaria com um pano limpo em movimento circulares, depois retire o excesso de produto com um pano umedecido. 

Colchões
O mais recomendado quando se vai fazer uma higienização de um colchão em casa, sem o acompanhamento de uma empresa especializada, é utilizar apenas um pano limpo umedecido, depois de tê-lo aspirado

Quintais
Para iniciar a limpeza retire todos os materiais removíveis do quintal. Espalhe o produto de limpeza de sua preferência com água em todo o espaço. Se a água estiver quente, a remoção da sujeira será mais eficiente. Deixe agir entre 5 e 10 minutos e depois enxague. Esfregue o local com uma vassoura ou uma bucha, mas não se esqueça de secar no final da limpeza.


Apesar de ser o maior órgão do corpo humano, a pele nem sempre recebe os cuidados necessários para se manter saudável. E para Renata Guidi, pesquisadora do departamento de P&D da Ibramed, essa atenção especial tem que ir muito além do uso de creme hidratante:
 
  • Alimentação saudável
A alimentação tem relação direta com a pele. É necessário se alimentar de maneira correta e ingerir todos os nutrientes importantes para o corpo, como aqueles ricos em vitaminas e em oxidantes, que são indispensáveis e trazem benefícios a longo prazo.

  • Não esquecer o filtro solar
Mesmo no inverno, o uso do filtro solar é indispensável, pois nesta estação o ângulo do sol pode mudar, mas os raios UV continuam queimando a pele. O ideal é aplicar o filtro solar no rosto, colo e dorso de mãos diariamente e reaplicar a cada quatro horas, já que a poluição e suor não deixam o produto agir por muito tempo.

  • Investir em tratamentos estéticos
O inverno é a melhor época para realizar tratamentos, como peelings. O Sonopeel, por exemplo, é um equipamento que realiza desde limpeza de pele até remoção de células mortas por meio de um peeling ultrassônico – procedimento menos invasivo que os tratamentos químicos. O peeling ultrassônico funciona com um gerador de ultrassom e corrente elétrica, indicado para higienizar a pele, estimular a produção de colágeno e elastina, ativar a circulação sanguínea e auxiliar na regeneração tecidual.
 
 
E para o campo respiratório, as dicas são da Dra. Maura Neves, otorrinolaringologista do Hospital Universitário da USP:
  • Limpar o nariz diariamente
Assim como escovar os dentes, o cuidado de limpar o nariz deve ser diário. Mesmo fora do inverno e dos momentos de crise, o hábito ajuda na prevenção de gripes, resfriados e alergias. Para isso, aposte em soluções salinas 0,9%, disponíveis nas versões spray e jato contínuo. "Feita pela manhã e à noite, a limpeza é capaz de reduzir em até 40% a incidência de gripes e resfriados. Durante os episódios infecciosos, o uso pode ser intensificado", afirma Dra. Maura.

  • Apostar no álcool gel
O friozinho aumenta as aglomerações de pessoas em locais fechados, possibilitando a proliferação de doenças respiratórias. "Além disso, a circulação de vírus causadores de gripes e resfriados aumenta nessa época do ano", pontua Dra. Maura. Para se proteger nesses momentos, carregue o álcool gel para a assepsia das mãos, quando não for possível lavá-las.

  • Beber muita água
O tempo frio pode reduzir a sede, mas, para manter a saúde em dia, é importante garantir a hidratação adequada mesmo durante o inverno. A ingestão de pelo menos dois litros diários de água ajuda a manter a secreção nasal mais fluida, auxiliando na prevenção de infecções comuns dessa época do ano. 
 

O inverno e as doenças 

Nesta estação, algumas infecções por todo o corpo apresentam mais casos - por conta de motivos como a seca ou as baixas temperaturas -, como:
  • Otite: a infecção no ouvido, geralmente causada por bactérias ou vírus, tem como sintomas a dor nesse local e febre
  • Dermatite atópica: inflamação na pele que provoca coceira, vermelhidão e descamação, sendo mais comum em crianças ou em pessoas que têm histórico familiar da doença
  • Conjuntivite: a irritação na membrana externa do olho e da pálpebra interior se propaga facilmente, principalmente no inverno, deixando as pessoas infectadas com o globo ocular vermelho e inchado 
  • Pneumonia: com mais de 2 milhões de casos por ano no Brasil, a infecção inflama os sacos de ar do pulmão e provoca tosse, calafrios e dificuldade na respiração, principalmente
  • Sinusite: mais uma inflamação da lista, a sinusite é causada principalmente por infecções virais, como as gripes e resfriados, desencadeando inflamações nas vias nasais

Palavra do especialista

Dra. Andréa Kasmim é médica atuante em clínica geral com especialização em pediatria
1. Por que nesta estação, no inverno, tantas doenças têm seus casos aumentados?
Ao contrário do que se pensa, não é o frio que causa as doenças, mas com o frio, as pessoas ficam mais aglomeradas e em ambientes abafados, facilitando a transmissão dos germes. Além disso os indivíduos também retiraram dos armários os casacos e cobertores guardados desde o inverno passado, que são ótimos "criadouros" de ácaros. A baixa umidade do ar, também contribui para aumentar os casos de doenças respiratórias. Pois esse é um período mais seco, com a umidade baixa, temos um ressecamento da mucosa nasal, diminuindo sua eficácia como  barreira contra os germes. A baixa umidade do ar, também faz com que as partículas que causam alergias, fiquem em suspensão com a poeira, a fumaça de cigarro, poluição e ácaros.

2. Como se prevenir de infecções, inflamações e outras disfunções nesse período?
Para os bebês, amamentação em primeiro lugar. Ela transmite os anticorpos da mãe para o bebê e hidrata-o. Também devemos beber bastante água, dormir oito horas por noite e ter uma alimentação balanceada para manter longe as doenças. Lavar o nariz com soro fisiológico ao longo do dia ajuda a “retirar” a secreção acumulada no nariz e nos seios paranasais, evitando a proliferação de germes que podem contribuir para complicações como otite e sinusite. Lavar as mãos sempre também é uma medida simples e muito eficaz. Temos que manter a casa sempre arejada - abrindo as janelas -, e nos livrar de tapetes, cortinas e bichinhos de pelúcia em excesso que, de qualquer maneira, precisam ser  lavados com uma frequência. Não fumar e manter sempre o calendário vacinal atualizado é essencial.

3. Quais grupos de pessoas mais devem ter atenção com a saúde na época da seca e baixas temperaturas?
Os extremos de idade são os que mais sofrem - as crianças e os idosos. As pessoas com doenças respiratórias pré-existentes, como asma e Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), os alérgicos e imunodeprimidos, também. Para as causas da vulnerabilidade das crianças temos a suspensão precoce do aleitamento materno e da ida às creches antes dos dois anos de idade e alguns fatores anatômicos também favorecem o acontecimento dessas doenças. Isso porque as vias aéreas das crianças são proporcionais ao seu tamanho. Sendo assim, um bebê com pouca secreção fica muito incomodado e obstruído, dificultando as mamadas e a drenagem das secreções, que podem se acumular causando as “ites”. No caso dos idosos é importante mantê-los aquecidos e hidratados. A vacina contra a gripe também é fundamental, ela é dada de graça na rede pública de saúde e, ao contrário do que muitos pensam, não faz mal algum. Exercícios físicos também são importante para quem tem mais de 65 anos, pois são formas de se movimentar, manter o corpo aquecido e saudável. 
 
 
*Estagiário sob supervisão de Sibele Negromonte  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade